Um motorista atingiu um ciclista e um poste de iluminação no início da manhã desta segunda-feira (21), no bairro Tarumã, em Curitiba. Mesmo ferido, ele fugiu do local, sem prestar socorro ao trabalhador que estava na bicicleta. O ciclista teve ferimentos leves e foi liberado no local. O poste precisará de reparos de equipes da Companhia Paranaense de Energia (Copel).

A colisão aconteceu na avenida Victor Ferreira do Amaral, na pista sentido Curitiba. O Volkswagen Jetta perdeu o controle do veículo e atingiu o ciclista que estava na ciclovia compartilhada, por volta das 6h30. Motoristas e pedestres acionaram o Corpo de Bombeiros e socorreram o homem, que ficou caído em uma parte de grama alta, às margens da avenida. Já o motorista do carro fugiu.

O cabo Frederico do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) disse que o ciclista teve ferimentos leves e foi liberado no local. “Já atendi dezenas de vezes aqui, também. Antes de colidir contra o poste, bateu contra uma bicicleta que estava na ciclovia, um cidadão que voltava do trabalho. A lesão dele é uma contusão simples, na coxa, sem fratura, sem batida na cabeça. Está sendo liberado no local”, disse à Banda B.

Já o motorista do carro fugiu e não foi visto pelos socorristas. “Tem sangue no carro, provavelmente, está machucado, mas conseguiu ir embora”, disse o socorrista.

Vítima

O ciclista atingido pelo carro garantiu à Banda B que chegou a ouvir o pneu do carro e tentou desviar. “Eu estava na ciclovia, indo pra casa depois do serviço e me deparei com esse carro, em alta velocidade. Escutei o barulho do pneu cantando, notei que ele ia se perder e tentei tirar. Estava na calçada, tentei desviar, mas não consegui. Ainda bem, mais o susto”, descreveu o ciclista Marcelo Lessa, em entrevista à Banda B.

Para ele, o motorista precisa pagar pelo que fez. “Não vou deixar barato, não foi deixar quieto, alguma coisa ele vai responder. Poderia ter me matado”, completou o ciclista.

O carro será retirado do local e levado ao pátio dos órgãos competentes. A Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran) deve assumir o caso e o motorista deverá responder por omissão de socorro.