(Foto: Colaboração Banda B)

 

As vítimas que morreram carbonizadas no grave acidente na BR-277 na noite desta quarta-feira (20) foram identificadas como Pedro Jurandir Iza, de 45 anos, e Beatriz Fuzick de Souza, que não teve a idade divulgada. Os dois eram casados e moravam em Curitiba.

(Foto: Reprodução/Facebook)

O caso gerou muita comoção nas redes sociais, onde amigos e familiares escreveram homenagens ao casal. “Descanse em paz. Hoje o céu ganha mais duas estrelas radiantes”, escreveu uma pessoa. “Ainda não dá para acreditar que vocês morreram, mas cada um tem o seu dia certo, mas ninguém aceita, ainda mais dessa forma. Muito triste, vocês vão fazer falta. Você, Pedro, vai fazer muita falta pelas suas alegrias, brincadeiras, pelos vídeos que recebia da manhã… Com você não tinha tristeza”, escreveu outra.

O acidente

A colisão aconteceu no km 101 na pista sentido Campo Largo, próximo ao viaduto que dá acesso aos contornos norte e sul. A velocidade do tráfego reduziu por conta de obras na pista e o motorista de um caminhão não conseguiu frear. Ele bateu contra outros seis carros e uma caminhonete, que pegaram fogo logo em seguida.

Beatriz e Pedro estavam no primeiro automóvel atingido pelo caminhoneiro, que parou para prestar socorro às vítimas. O casal morreu carbonizado e outras quatro pessoas ficaram feridas.

O motorista do caminhão foi levado à Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran) de Curitiba para prestar esclarecimentos. Segundo a Polícia Civil, o condutor informou que havia apenas uma bandeira sinalizando as obras e que, por isso, demorou para perceber os carros parados. Ele tentou frear, mas não conseguiu.

Ainda em depoimento, o condutor disse que estava a 60 km/h no momento do acidente, o que deve ser conferido por uma perícia complementar. Para a polícia, no entanto, tudo indica que ele trafegava em velocidade maior do que a permitida no trecho, que é de 80 km/h. O motorista foi solto e deve responder o processo em liberdade.

A concessionária responsável pela rodovia, a CCR RodoNorte, declarou que o local da obra estava devidamente sinalizado e o condutor da carreta não respeitou as placas para redução da velocidade.

 

Notícia relacionada