O ministro da Justiça, Sergio Moro, defendeu nesta sexta-feira (1º) a federalização das investigações envolvendo o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes, de modo que o caso fosse assumido pela Polícia Federal.

(Foto: Everson Bressan /Fotoarena/Folhapress)

“Considerando a demora de identificação dos mandantes e essas reiteradas tentativas de obstrução da Justiça, talvez seja o caso realmente de federalização”, declarou. Reportagem do Jornal Nacional de terça-feira (29) apontou que um porteiro (cujo nome não foi revelado) disse à Polícia Civil que, no dia do assassinato da vereadora, Élcio Queiroz, ex-policial militar suspeito de envolvimento no crime, afirmou na portaria do condomínio que iria à casa de Bolsonaro, na época deputado federal.

Marielle e Anderson foram mortos no dia 14 de março de 2018. A versão foi refutada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, que afirmou que a versão apresentada no depoimento não corresponde aos fatos apurados durante a investigação.

Nesta quinta, a Folha de S.Paulo mostrou que há problemas na perícia encomendada pela Promotoria.
Moro também afirmou que o governo tem assegurado a autonomia dos órgãos que apuram os fatos. Para o ministro, há “desconhecimento” do trabalho da pasta por parte de quem sugere que ele deveria ser chamado a depor no Congresso para apurar possível interferência no caso.

“O Ministério da Justiça não trabalha nessas investigações”, disse. O ministro respondeu a questionamentos envolvendo a fala do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que disse, nesta quinta-feira (31), que poderia haver uma reedição do AI-5 caso a “esquerda radicalizasse”. “Isso foi ontem, o deputado já pediu desculpas, assunto encerrado”, declarou.

Ainda na quinta, após ser desautorizado por seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, Eduardo voltou atrás e afirmou que “não existe qualquer possibilidade de retorno do AI-5”.  Ele se desculpou em entrevista ao programa Brasil Urgente, da Band.

Com a presença do procurador Deltan Dallagnol e outras autoridades, Moro participou da inauguração de uma delegacia modelo, dedicada a investigação e análise financeira para combate à corrupção, no prédio da Superintendência da PF (Polícia Federal), em Curitiba. No local, desde abril de 2018, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cumpre pena por condenação na Lava Jato.

O PT considerou a participação de ambos no evento como uma provocação. Na vigília pelo ex-presidente, montada em frente ao prédio, integrantes do movimento estenderam uma faixa com os dizeres: “Dallagnol, vergonha do MPF”. Nenhum dos dois respondeu aos manifestantes.

O número de perguntas da imprensa foi limitado, e Moro pediu que os jornalistas focassem questionamentos envolvendo a inauguração da delegacia. A reportagem apurou que alguns superintendentes da PF de outros estados boicotaram o evento por não estarem satisfeitos com os resultados do trabalho de Moro à frente do ministério.

Ofício do último dia 25, assinado pelo presidente da Associação Nacional de Delegados da Polícia Federal ao diretor da instituição, Maurício Valeixo, traz reclamações sobre problemas internos, como falta de pessoal e sobrecarga de trabalho, e externos, como a possível interferência de Moro na atuação policial. Questionado sobre o ofício, no entanto, Moro minimizou o movimento, dizendo que são demandas corporativas naturais da PF.