A Ilha do Mel, no litoral do Paraná, está sem um de seus principais atrativos. Segundo moradores do local, há pelo menos seis meses o Farol das Conchas, que iluminava toda a região com sua luz forte, está apagado. Uma escuridão que incomoda. Tanto é que um grupo de moradores resolveu lançar na internet uma campanha para que o farol volte a ficar iluminado.

A campanha “Acenda o Farol” já chegou nas redes sociais e ganhou centenas de compartilhamentos. Um dos idealizadores, o fotógrafo Bruno Santos, conta que está na Ilha desde dezembro. Ele descreve o que sentiu quando viu a escuridão que toma conta do farol.

Essa foto foi feita na noite de ontem pelo Gus Schiavon, com a ajuda do Gabriel Bill, equipe blackbelt, parceria fortíssima fechada aqui na Ilha, coloca Bruno Santos em seu Facebook.

“ Na primeira noite aqui na Ilha do Mel, fui até a praia para ver o Farol das Conchas aceso. Para minha frustração e tremenda decepção ele estava apagado e desde então permanece assim. Um farol como esse, marco histórico e simbólico do nosso estado, permanecer apagado é mais uma cicatriz que temos que aceitar, como normalidade. É mais um claro sinal que demostra o enorme descaso, desrespeito e total desinteresse, daqueles que se dizem nossos governantes, em preservar a Ilha do Mel, patrimônio da humanidade, tombado pela UNESCO”, desabafou Santos nas redes.

Incomodado, ele foi no domingo (11.03) até o farol, junto com o amigo Gustavo Schiavon. Lá, decidiram fazer uma foto com uma lanterna, bem em frente ao farol, para chamar a atenção para o problema. A foto se espalhou pelas redes.

“Tivemos a ideia lá, na escuridão do farol que não ilumina mais nada. Para alguns pode parecer irrelevante, mas nós gostaríamos muito de ver o Farol da Conchas funcionando, restaurado e preservado. Mas queremos ir além. Também queremos chamar a atenção para a ameaça de destruição da Área de Proteção Ambiental das Escarpas Devonianas, nos Campos Gerais, que está sob ameaça, e também chamar a atenção para a construção do porto em Pontal do Paraná, a apenas três quilômetros daqui, um risco para o meio ambiente”, disse Santos à Banda B.

A história do Farol

O Farol das Conchas foi construído em 1872 por ordem do Imperador D. Pedro II, para modernizar a navegação comercial brasileira. As obras foram realizadas por uma empresa inglesa sob a supervisão do engenheiro Zózimo Barroso. Os materiais foram importados da Escócia, país que detinha, na época, a tecnologia mais avançada no ramo.

O local não é aberto à visitação. Ainda assim, muitos turistas sobem os 150 degraus que levam ao seu topo, no Morro das Conchas. Lá de cima, a vista panorâmica descortina toda a Ilha do Mel. A caminhada dura meia hora, partindo da vila de Nova Brasília; e duas horas, partindo de Encantadas.

Em 1991, todo o trecho de Mata Atlântica entre a Ilha do Mel a Serra da Juréia, em Iguape, São Paulo, foi declarada Reserva da Biosfera pela Unesco. Já em 1999, passou a ser considerado Patrimônio Natural Mundial.

De quem é a responsabilidade?

O local é de responsabilidade da Capitania dos Portos. Em nota, a Capitania informou que o farol ainda é utilizado como importante instrumento de navegação e que a Marinha só constatou que o local está apagado no início de fevereiro. A Capitania informou que que vai consertar em breve o equipamento para que a iluminação seja reativada e pede ainda ajuda à população inibir atos de vandalismo no local.

Segue a nota na íntegra:

“Durante inspeções de rotinas realizadas pela Capitania dos Portos do Paraná, na última semana de fevereiro, foi constatada a inoperância do “Farol de Conchas” localizado
na Ilha do Mel. Este monumento, importante instrumento da navegação, tem sofrido não apenas com a ação do tempo, mas também, com constantes atos de vandalismo. Infelizmente, esses atos de vandalismo têm se tornado cada vez mais comuns, o que dificulta prover a manutenção deste monumento. É importante, que além dos esforços da Marinha, a comunidade local ajude a inibir este tipo de ocorrências informando às autoridades competentes.

Permanece a preocupação em manter a segurança da navegação e a salvaguarda da vida humana no mar. Consta na lista de avisos aos navegantes a inoperância do Farol. A Marinha ressalta que está envidando esforços para a substituição do equipamento avariado e a promoção do reestabelecimento do sinal o mais breve possível. A previsão é de que o sinal seja reestabelecido até esta quarta-feira (21).

A Capitania dos Portos do Paraná lembra a todos que, qualquer cidadão, verificando sinais de desgaste ou depredação de itens que possam prejudicar a navegação em nosso litoral, pode informar a Capitania através do telefone (41) 3721-1542 ou pelo endereço eletrônico [email protected]