O médico dermatologista Ulisses Misima Ribeiro, de 43 anos, foi preso nesta terça-feira (4) suspeito de participar do racha que matou o servente Marcelo da Trindade, de 48 anos. O atropelamento aconteceu no dia 13 de julho, na BR-277, no bairro Orleans, em Curitiba. Ribeiro é apontado pela Delegacia de Delitos de Trânsito (Dedetran) como o motorista do veículo Volvo que aparece em imagens numa suposta competição automobilística contra a BMW de Silvio Eduardo de Alencar Santos, de 20 anos.

De acordo com o delegado Edgar Santana, foi um intenso trabalho de investigação que contou com o auxílio da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e da Secretaria Municipal de Trânsito de Curitiba. “Com as informações, representamos pela prisão temporária e por mandado de busca e apreensão do veículo. Encontramos o acusado em sua residência e ele já foi devidamente interrogado. Ele confirma que de fato estava dirigindo o veículo Volvo, mas nega o racha e diz que não sabia a velocidade do veículo”, disse o delegado.

O mandado de prisão temporária foi cumprido durante a manhã, no Ecoville, em Curitiba. O dermatologista vai responder por homicídio e competição automobilística não autorizada (racha).

Perícia

No inquérito, que ainda está em andamento, a Polícia Civil junta diversas provas que comprovariam o racha, incluindo laudo do Instituto de Criminalística. Há trechos da rodovia em que o veículo Volvo aparece com uma velocidade de 179 km/h, enquanto a BMW estaria a 160 km/h.

Racha teria começado pelo menos 2 km antes do acidente (Reprodução)

Segundo a Polícia Civil, a disputa teria começado pelo menos dois quilômetros antes da rodovia. Imagens de câmeras de segurança mostram os veículos em alta velocidade já próximo aos acessos aos contornos Sul e Norte.

A Banda B entrou em contato com a defesa de Ribeiro, que informou que já entrou com pedido de revogação da prisão. Segundo o advogado Juliano Breda, testemunhas são unânimes em afirmar que o veículo Volvo não teve interferência na perda de controle da BMW. O defensor lembra ainda que Alencar já responde em liberdade e que “não faria sentido” manter o médico detido neste momento. A defesa também nega a ocorrência de racha.

No momento do acidente, o médico estava com a esposa, dois filhos e uma amiga no veículo.

A Dedetran acredita que Ribeiro e Alencar não se conheciam.

O acidente

O atropelamento aconteceu no dia 13 de julho, na BR-277, em Curitiba. A BMW fazia a pista sentido Centro de Curitiba quando o motorista perdeu o controle, capotou e matou Trindade.

A vítima tinha há oito anos superado o alcoolismo e passava por um ótimo momento, segundo familiares. Atualmente, Marcelo trabalhava para a concessionária Rodonorte, que administra o trecho em que o acidente aconteceu.

Ele trabalhava com o filho no momento em que foi atingido.