Foto: Daniela Sevieri/Banda B

Manifestantes do grupo ‘Movimento de Luta do Transporte Coletivo’ (MLTC) bloquearam ruas em torno da Praça Rui Barbosa, em Curitiba, no começo da noite desta terça-feira (26). Cerca de 250 pessoas compareceram ao evento, que foi organizado pelas redes sociais, com o objetivo de impedir o aumento de 25 centavos na tarifa do transporte público da cidade, anunciado pela Prefeitura de Curitiba na última sexta-feira (22).

Lucas Souza, 29 anos, foi um dos responsáveis pelo ato e diz que o movimento reúne diversos grupos e classes sociais, focados em mostrar a indignação da população curitibana com a nova passagem de ônibus, que começará a custar R$4,50 a partir da próxima quinta-feira (28).

“Esse ato reúne diversos movimentos, organizações, trabalhadores, estudantes que protestam contra mais um aumento da passagem, sendo que existe uma ampla documentação que diz que esses aumentos não são justos nem legais. O próprio Tribunal de Contas afirmou que o valor da tarifa deveria ser muito diferente”, disse Souza. “Existe uma máfia que nunca é desfeita e quem paga são sempre os mais pobres, com serviços de má qualidade e com preços nas alturas”, acrescentou.

Reivindicações

Além do aumento da passagem, o MLTC ainda pede a adoção do passe livre para estudantes em toda a rede de transportes de Curitiba. “Essa é um pedido antigo nosso, tanto para quem estuda quanto para trabalhadores que estão desempregados”, diz o organizador, Lucas Souza.

Um dos motoristas afetados pela manifestação, o técnico odontológico Rafael Camargo, de 39 anos, não reclamou de ter ficado trancado no congestionamento. “Acho válida uma iniciativa como essa. Não tem problema, nós esperamos eles passarem”, relatou à Banda B.

A vendadora Vilma do Vale também parabenizou a paralisação. “A tarifa está muito alta. As vezes você quer andar de um terminal para o outro e é muita alta. A manifestação está corretíssima”, analisou.

De acordo com o presidente da Urbanização de Curitiba (Urbs)Ogeny Pedro Maia Neto, os subsídios da prefeitura e do governo do Paraná devem garantir o valor da tarifa do passageiro em R$ 4,50 até fevereiro de 2020.