A estiagem se agrava dia após dia no Paraná e afeta especialmente Curitiba e região metropolitana, que sofrem com o rodízio de água devido à baixa vazão dos rios. Entretanto, a previsão para o mês de maio é um pouco mais animadora, com a possibilidade de que três frentes frias avancem e tragam chuva que podem ajudar, mas não solucionar o período de seca.

Chuva em Curitiba. 03/2019 – Foto: Gilson Abreu/ANPr

 

Em entrevista à Banda B nesta terça-feira (28), o meteorologista Reinaldo Kneib, do Simepar, confirmou que para a semana que vem já devemos ter uma chuva mais intensa. “As notícias são animadoras, não neste fim de semana agora, mas um pouco mais pra frente, especialmente na primeira quinzena de maio. Acreditamos que três frentes frias cheguem ao Paraná neste período. Então, acreditamos que teremos um pouco mais de chuva, não o suficiente para melhorar a estiagem, mas dentro da média para o mês”, disse.

De acordo com Kneib, além da chuva devemos ter temperaturas mais baixas durante o mês, já que a instabilidade proporciona a chegada de massas de ar polar. “Sem dúvida. Já na semana que vem devemos ter uma queda de temperatura, com possibilidade de geada e mínima de 4°C na região de Curitiba. O mês vai nos proporcionar dias mais frios”, explicou.

Estiagem

A falta de chuvas que assola praticamente todas as regiões do Paraná chegou a níveis preocupantes. Dados do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar) apontam que a ocorrência de índices pluviométricos abaixo das médias históricas já se arrasta por dez meses – de junho de 2019 a março de 2020 –, na região das nove maiores cidades do Estado. Segundo o Simepar, esta á a pior estiagem já registrada desde 1997, quando o instituto começou a fazer este tipo de monitoramento. A seca prolongada já provocou impactos na lavoura de milho safrinha em algumas regiões.