(Imagem ilustrativa/Pixabay)

 

Uma mãe vegetariana usou as redes sociais nesta quarta-feira (12) para relatar um problema que teve com o buffet de festa infantil Mundo Kids, localizado em Curitiba. A administradora Ticiane Pfeiffer, de 47 anos, afirmou que chegou a assinar o contrato para realizar o aniversário do filho, de quatro anos, mas o estabelecimento se recusou a tirar a proteína animal do cardápio. Por outro lado, os proprietários alegam que não teriam condições de atender o pedido da cliente. (Leia a resposta no fim da reportagem)

“O meu marido foi até o buffet há umas três semanas, porque o meu filho estuda ali perto e queria muito fazer a festa ali. Ele conversou com o gerente, deixou a data reservada e, na semana seguinte, nós fomos juntos. Na ocasião, deixei claro que precisava de adaptações no cardápio porque eu e o meu filho somos vegetarianos. Notei que eles ficaram um pouco quietos na hora, mas achei que fariam como pedi porque enfatizei que, se não fosse assim, não realizaria a festa”, explicou Ticiane em entrevista à Banda B.

Ela, então, assinou o contrato e combinou de retornar ao buffet para provar os alimentos oferecidos, o que aconteceu na última terça-feira (11). “Eu fui para a degustação e a gerente me disse que alguns itens do cardápio não poderiam ser trocados. Respondi que não tinha problema, desde que não tivesse carne. Mas ela falou que esses produtos eram tradicionais e não teria como retirá-los, porque colocaria a qualidade do serviço em risco. Afirmou, por exemplo, que não seria possível tirar a coxinha, porque era uma ‘sensação’ do local. Eu insisti para substitui-la por qualquer outra coisa, mas não teve jeito”, completou.

Ticiane comentou que ficou sem reação, por não entender a “obrigação de servir carne”, e a própria gerente sugeriu cancelar o contrato. “Ela mesma rasgou o documento. Eu fiquei muito assustada com tudo isso. Meu filho estava junto e não entendeu nada. O que mais me chocou foi essa insensibilidade, porque ele queria que a festa fosse ali. Aí de repente eu não posso fazer porque eles se recusam a retirar a carne do cardápio?”, questionou.

Após o desentendimento, a mãe pediu para falar com os donos do estabelecimento, mas, segundo ela, não foi atendida. Ticiane disse que não teve retorno direto deles nem depois de postar sobre a situação no Facebook. “Eu procurei um amigo da Sociedade Vegetariana Brasileira e pedi que ele me ajudasse a escrever um texto para eu publicar, por questão de conscientização mesmo. No fim, consegui encontrar outro buffet e deu tudo certo, mas espero que o meu caso alcance repercussão para que haja sensibilidade com a nossa causa”.

O outro lado

Sobre o caso, a Banda B entrou em contato com Paulo Roberto Pinheiro, um dos donos do buffet. Ele afirmou que a cliente teria distorcido a situação. “Nós temos três pacotes para comida e ela queria tirar toda a proteína animal. Desse modo, nós não conseguiríamos servir muita coisa e o cardápio ficaria reduzido. Todos eles têm opções vegetarianas, mas não há um 100% assim, porque, infelizmente, não temos essa demanda. Geralmente, as pessoas vegetarianas que fazem festa com a gente pegam os pacotes normais porque pode ser que os convidados comam carne”, relatou.

De acordo com ele, o pedido de Ticiane “desconfiguraria” o serviço do buffet. “Nós não somos um salão de festa, mas sim um buffet infantil com gastronomia. Quando os clientes fecham o contrato, é pela gastronomia. Se nós fôssemos trocar ingredientes, proteína animal por carne de soja, por exemplo, teríamos um problema financeiro, porque compramos todos os insumos mensalmente. Além disso, cancelamos o contrato com ela e não cobramos os 30% de multa, que temos direito”, finalizou.