Socorrida com 70% do corpo queimado após o incêndio criminoso que matou suas duas filhas, de dois e seis anos, Rosenilda Rodrigues segue internada na UTI do Hospital Evangélico Mackenzie, em Curitiba. De acordo com informações confirmadas pela assessoria do hospital, o estado dela é delicado, mas sob cuidados médicos.

Lucas e Rosenilda – Foto Facebook

Segundo a Polícia Civil, o incêndio que ocorreu em Rio Branco do Sul, na região metropolitana de Curitiba, começou no final da madrugada desta terça-feira (8) e foi provocado marido de Rosenilda. O casal teve uma briga na noite de segunda-feira (7) e a polícia chegou a ser chamada. Nesta discussão, Lucas teria feito ameaças para a companheira.

O delegado Tiago Dantas, responsável pela investigação, falou sobre o ocorrido. “Eles tiveram uma briga e, por volta das 11 h da noite a vítima acionou a polícia, que foi até a casa da família. Chegando lá, ele já tinha ido embora. Aos policiais ela contou que o marido tinha dito que ia voltar e atear fogo na casa com todos dentro. Foi o que ele fez”, contou o delegado.

Lucas Machado, de 25 anos, foi preso em flagrante, logo após ter colocado fogo na casa e provocado a morte da filha e da enteada.

O crime

Vizinhos contaram que apenas ouviram os gritos de Rosenilda em meio as chamas na casa localizada na Vila Madre, em Rio Branco do Sul.

“Ela saiu da casa gritando, mas depois voltou correndo para tentar salvar a filha. A gente pensou que a caçula tinha sido levada pelo pai, mas infelizmente ela também morreu nessa tragédia. Não tem nem como falar”, disse uma vizinha.

O pai de Rosenilda, Vitor Rodrigues, contou que as brigas eram constantes. “Eles viviam brigando e se acertando. A gente sabia também que usavam drogas. Só acordei com o fogo alto”, disse.

Os bombeiros tiveram dificuldade para resgatar a mãe das crianças em razão da casa ficar num local de difícil acesso.