(Foto: Divulgação)

 

No 3T18, a TIM apresenta o maior EBITDA para um terceiro trimestre em sua história: R$ 1.657 milhões, com avanço de 8,6% na comparação anual. É o nono trimestre consecutivo com expansão e no acumulado de 2018, o EBITDA está em R$ 4.694 milhões, aumento de 12,3% em relação ao mesmo período de 2017. Já o lucro líquido é de R$ 388 milhões no 3T18, resultado 38,9% superior ao do mesmo período de 2017.

Por mais um trimestre, a TIM registra crescimentos em todas as unidades de negócio, com aumento do serviço móvel, do serviço fixo e dos produtos. A receita líquida totaliza R$ 4.261 milhões no 3T18, incremento de 4,4% em comparação com o mesmo trimestre do ano passado, e atinge R$ 12.571 milhões nos três primeiros trimestres do ano, com alta de 5,0%.

A receita de serviços, que subiu 3,3% no período e 5,1% no acumulado do ano, foi impulsionada pela performance da TIM Live, que registra crescimento de 35,7% e do aumento da base de clientes no segmento pós-pago com alta de 17,1%, o que representa 2,9 milhões a mais de consumidores frente ao terceiro trimestre do ano anterior. Nos últimos 12 meses a operadora confirma a liderança do mercado em adições líquidas de pós(3), que continua a crescer em relevância e já representa 34,9% da base total com 19,6 milhões de clientes. A TIM segue líder na cobertura 4G, registrando expansão de 47%, com 3.172 cidades e cobrindo 92% da população urbana do país, com 33,1 milhões de usuários.

TIM Live: Expansão na cobertura

TIM Live mantém um desempenho acelerado e cresce sua receita no 3T18 em 35,7% e passa a representar 46,5% da receita de serviço fixo. A ultra banda larga fixa expande sua cobertura, hoje disponível em 12 cidades do Brasil, sendo cinco capitais (Rio de Janeiro, São Paulo, Salvador, Manaus e Goiânia).

A receita média mensal por usuário (ARPU) da TIM Live chega a R$ 77,50 no terceiro trimestre, expansão de 10,4% se comparado a 2017. O desempenho é resultado do crescimento da penetração de ofertas com maior valor, fruto de um melhor mix de vendas após o lançamento do portfólio de planos FTTH (Fiber to the Home) em abril. Já são cinco novas cidades com a tecnologia, e nove cidades no total em setembro. A ultra banda larga fixa chega a 761 mil domicílios cobertos com fibra no fim do terceiro trimestre de 2018, uma alta de 19,5% na comparação anual.

Digitalização dos serviços

As diversas iniciativas de digitalização evoluem em ritmo acelerado. Na área de vendas, o mix de recargas segue impulsionado pelos canais eletrônicos, que avançaram 6 p.p. A/A no 3T18. As ativações por meio dos canais digitais continuam em expansão, com alta de 37% (ano a ano) no segmento pós-pago e 42% no pré-pago. Em relação ao atendimento, o App Móvel e a modernização da URA são peças fundamentais para aprimorar a experiência do cliente em linha com a estratégia da empresa.

Novas ofertas: mais conexão e navegação ilimitada

O principal lançamento móvel do trimestre foi o TIM Controle, com degustação exclusiva do serviço de redes sociais ilimitadas com três meses gratuitos de Facebook, Instagram e Twitter. A campanha de lançamento utilizou artistas de impacto e com grande apelo entre o público-alvo, protagonizada por Ludmilla e Rodrigo Hilbert, além de refletir o compromisso da TIM em oferecer a melhor experiência ao cliente apostando na música e na dança.

Liderança na cobertura 4G em 700 MHz

A TIM mantém a liderança na cobertura 4G, registrando expansão de mais de 750 cidades em comparação com 2017, totalizando 3.172 cidades e cobrindo 92% da população urbana do país ao fim do terceiro trimestre. Como resultado, 73% do tráfego de dados dos clientes da TIM foram realizados na rede 4G no período, alta de 19 p.p. em relação ao trimestre do ano anterior.

Outro destaque é a liderança no uso do 4G na frequência 700 MHz em todo o Brasil, com 1.172 cidades cobertas, atingindo 56% da população urbana. O uso dessa frequência proporciona maior velocidade de download e upload e menor latência, além de aumentar a cobertura indoor e a penetração do sinal.

Energia renovável

A expansão da infraestrutura de rede está integrada a uma estratégia de eficiência do consumo de energia. Alinhada aos princípios de suas políticas ambiental e de gestão de mudança do clima, a companhia, em 2018, deu continuidade à autogeração de energia renovável por meio de cinco Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) arrendadas no final de 2017, que atendem à demanda de mil sites.