Reprodução

 

Após o incidente envolvendo praticantes de ioga no Jardim Botânico, em Curitiba, viralizou nesta segunda-feira (23) uma imagem que aponta a extensa lista de proibições aos frequentadores do espaço. Por exemplo, é proibido andar de bicicleta, soltar pipa e jogar bola. Mas, as mais inusitadas geraram brincadeiras por parte dos internautas, uma vez que não é possível acampar, andar de barco ou jogar cinzas de cremação na grama ou nos lagos.

A página ‘Historical footage Made In Brazil’, por exemplo, comparou a lista de proibições com a tábua dos mandamentos que, segundo a bíblia, Deus entregou a Moisés. “Tabua de pedra contendo os mandamentos de Deus para o povo de Israel. Monte Sinai, Êxodo, 24: 12-13”, disse.

Em outra rede social, um usuário questionou algumas das proibições. “Eu só fico pensando o que já deve ter acontecido nesse parque para proibirem velejar e chegar de balão”, brincou.

Diante da viralização, o diretor de produção vegetal da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, José Roberto Roloff, explicou que o Jardim Botânico possui restrições diferentes das dos demais espaços de lazer de Curitiba por conta de suas características. “O Jardim Botânico não é um parque. No local, abrigamos em cada parte uma coleção diferente de plantas vivas. Por exemplo, no ano passado nós implantamos as araucárias do mundo. Mais para baixo, temos as ameaçadas de extinção e as da mata atlântica. Então cada parte tem uma característica diferente para que as pessoas tenham conhecimento da flora do Paraná. Justamente por isso temos essa série de proibições”, explicou Roloff, que é o responsável pelo espaço.

Roloff disse ainda que Curitiba segue orientações da rede de jardins botânicos do Brasil, o que cria uma padronização na lista de restrições. “Imagina se uma pessoa vai jogar bola e quebra uma planta que trouxemos de fora, climatizamos, e fizemos experimentos. Isso quebra todo o trabalho dos nossos técnicos. Não é questão de antipatia do Jardim Botânico, é uma questão de se tratar de um espaço diferenciado”, concluiu o diretor.

Durante os horários de funcionamento, orientadores são disponibilizados na entrada principal e também em uma secundária de serviço, justamente para falar sobre as restrições.

Ioga

No sábado, um grupo que há quatro anos pratica ioga teve uma aula interrompida por agentes da Guarda Municipal. De acordo com os representantes do projeto, a alegação foi de que a grama do espaço estava sendo prejudicada. Eram 100 alunos no momento da confusão, por volta das 9h. Eles normalmente faziam aula em um ponto de encontro, que desta vez estava ocupado pela montagem de estrutura para um evento. Com isso, eles foram até um local próximo, onde foram abordados pela administradora do parque.

Após a situação, o prefeito Rafael Greca se desculpou em uma rede social. “Quero Ioga no Jardim Botânico, em todos os parques e praças de Curitiba. Fizemos os parques e praças para os curitibanos amarem e cuidarem como seus próprios jardins! Ioga é atividade saudável pro corpo e pra mente. Não gostei como o processo desse final de semana aconteceu e peço desculpas aos curitibanos de bem que foram mal tratados. Já determinei a secretária do Meio Ambiente, Marilza Dias, que receba os iogues e encontre – na medida da virtude – um local apropriado dentro do nosso exuberante Jardim Botânico para a prática da Ioga”, postou.