O Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) determinou que o ex-prefeito de Piên e atual candidato ao pleito municipal, Gilberto Dranka, vá a júri popular. Ele é acusado de ser o mandante do assassinato de duas pessoas em 2016, uma delas o prefeito eleito da cidade, Loir Dreveck, que nem chegou a tomar posse.

Foto: Reprodução

Em 2017, o juiz Rodrigo Murilus, da comarca de Rio Negro, já havia determinado que o caso fosse julgado pelo Tribunal do Júri. Porém, após recursos da defesa e do Ministério Público (MP) o processo ficou “travado”, como explicou em entrevista à Banda B o assistente de acusação, Samir Mattar Assad.

“A decisão está apenas dando cumprimento ao que já tinha sido descidido antes. O processo ficou nesse travamento após alguns recursos da defesa e do MP. O próximo passo agora a gente espera que sejam os atos preparatórios da sessão de julgamento. Nos próximos dias vamos ter a data de sorteio dos jurados e do julgamento”, disse Mattar Assad.

A reportagem da Banda B entrou em contato com a defesa de Dranka e aguarda o retorno.

Depois de ficar preso por um ano, Dranka está em liberdade monitorada por tornozeleira eletrônica e se candidatou a prefeito da cidade mais uma vez. Pela primeira vez na história da região metropolitana de Curitiba, um candidato a prefeito vai disputar a eleição para a prefeitura do município sendo monitorado pela Justiça. Ele já administrou a cidade por dois mandatos.

Crime

Loir Dreveck e Genesio de Almeida foram mortos a tiros pela mesma pessoa. A acusação aponta que ela que teria sido contratada por Dranka para matar apenas o prefeito eleito, mas matou também Genesio por engano. O atual candidato a prefeito nega participação nos crimes.