Luis Felipe Manvailer passa a responder ao processo como réu (Foto: Reprodução)

 

A juíza Paola Gonçalves Mancini, da 2ª Vara Criminal de Guarapuava, aceitou a denuncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR) contra Luis Felipe Santos Manvailer, de 32 anos. Ele é acusado pela morte da advogada Tatiane Spitzner, de 29 anos. Além do crime de feminicídio, Manvailer foi denunciado pelos crimes de cárcere privado e fraude processual.

De acordo a juíza, a defesa de Manvailer terá dez dias para responder a acusação preliminar e arrolar testemunhas para o processo.

Com a aceitação da denúncia, o marido de Tatiane passa a responder ao processo como réu.

Com a divulgação de imagens do prédio em que o casal morava, o MP-PR denunciou Manvailer pela prática dos crimes de cárcere privado, já que impediu a saída da esposa de dentro do apartamento, e fraude processual, por ter removido o corpo da vítima do local da queda e ter limpado o sangue deixado no elevador.

Tatiane morreu após cair do 4º andar do prédio em que morava com Manvailer no Centro de Guarapuava, na madrugada de 22 de julho. As imagens mostram uma série de agressões contra a advogada antes da queda.

Transferência

Nesta terça-feira (7), a defesa de Manvailer pediu a transferência dele para o Complexo Médico Penal, em Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, depois de uma tentativa de “tirar a vida”.

Segundo o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen), Manvailer apresentou um corte superficial na altura do pescoço, foi atendido pela equipe de enfermagem da Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG) e passa bem. “O Depen esclarece que o detento encontra-se sozinho em uma cela por força de determinação judicial”, diz nota.

Crime

Segundo as investigações do MP-PR, Tatiane morreu após uma discussão no retorno de uma casa noturna. Consta da denúncia que, durante as agressões, o acusado “produziu lesões compatíveis com esganadura (…) praticando tal delito mediante asfixia”.

O MP-PR também pediu que ainda que seja mantida a prisão preventiva do denunciado. Ele está preso desde o dia 22 de julho, quando sofreu acidente em São Miguel do Iguaçu, no oeste do Paraná.

Nota

A defesa de Manvailer se manifestou por meio de nota à imprensa. “Sobre o recebimento da denúncia por parte da justiça no processo apuratório da morte de Tatiane Spitzner, a defesa técnica de Luis Felipe Manvailer informa que permanece no aguardo do resultado de exames periciais no corpo da vítima, no apartamento do casal, nas câmeras de segurança, nos smartphones, computadores e HDs apreendidos e na realização de reprodução simulada dos fatos com a participação do acusado.

Nesse momento é importante reafirmar que qualquer posicionamento sobre o caso, seja dos Delegados, Promotores, Advogados de Acusação ou de outro profissional que tenha participado do todo ou de parte deste apuratório (que sequer se encontra efetivamente concluído, já que pendentes importantes diligências) estará tratando de hipóteses especulativas, baseadas em fragmentos, que destoam de comprovação técnica científica”, finaliza a nota, na íntegra.