O Tribunal do Júri de Curitiba definiu no fim da noite desta quinta-feira (29) o destino dos irmãos acusados pelo espancamento e morte do idoso Célio Oliveira Souza, de 60 anos. O jovem Deurick Douglas Batista Nica, 25 anos, denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR) por homicídio triplamente qualificado recebeu uma condenação por lesão corporal e uma pena de quatro anos em regime aberto. O irmão dele José Isac Batista Nica, 37 anos, foi absolvido das acusações.

Réus ao lado da defesa – Foto: Colaboração Banda B

O advogado de defesa Jeffrey Chiquini comemorou o resultado do júri. “Ambas as teses da defesa foram acatadas pelos conselho de sentença, um caso complexo, extremamente grave. Se condenados, os irmãos teriam uma pena de mais de 30 anos, mas a Justiça prevaleceu. Estamos muito satisfeitos com o resultado”, disse ele.

O MP-PR queria a condenação dos irmãos por homicídio triplamente qualificado, sendo motivo torpe, meio cruel, no entanto, não conseguiu provar a tese aos jurados.

A defesa apresentou uma versão, amplamente utilizada. “O conselho de sentença entendeu que Deurick não matou a vítima, já que ela tinha uma doença preexistente, que foi a causa da morte. Ele tinha um problema crônico de fígado, em razão da queda, ele teve um rompimento no fígado, hemorragia não detectada de imediato pelos médicos, ocasionado a morte dele”, descreveu a defesa dos irmãos.

Em razão desse entendimento, Deurick foi condenado a uma pena de quatro anos em regime aberto. “Já cumpriu um ano e meio de pena, então, os irmãos saem andando desse plenário hoje com a correta aplicação da lei e da Justiça”, finalizou.

Crime

O crime aconteceu na manhã de 6 de dezembro de 2018, no bairro Tatuquara, em Curitiba. Na ocasião da prisão, a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) informou que o assassinato começou por um desentendimento familiar ocorrido quatro dias antes. Segundo as informações levantadas pela polícia, Deurick namorava a neta da vítima e brigou com o pai da adolescente. Por conta da confusão, Célio teria passado a ser ameaçado, até ser morto no dia 6.