Um incêndio de grandes proporções na área de várzea na Represa do Iraí, entre Piraquara e Quatro Barras, Região Metropolitana de Curitiba (RMC), preocupa as autoridades. Uma equipe do Corpo de Bombeiros se deslocará de helicóptero ao local, na tarde deste sábado (25), para iniciar o combate às chamas.

 

 

Em entrevista à Banda B, a bióloga e gestora em educação ambiental da Sanepar, Ana Cristina do Rego Barros, mencionou que os focos de incêndios começaram a ser monitorados desde a quinta-feira (23). No entanto, na manhã deste sábado foi verificado o aumento da fumaça na região. Por isto, foi necessário tomar uma atitude.

“Não é perto de residências. No entanto, é grande a área florestal que está sendo devastada. Isto pode prejudicar a fauna e a flora do local e a fumaça irá piorar a qualidade do ar de toda a região”, explicou.

Ana ressalta que a área de várzea é úmida. Portanto, o controle do fogo é essencial neste momento, pois isto pode gerar grandes danos a Represa do Iraí.

“Como está faltando água em Curitiba e Região, há um temor de que o incêndio seque e diminua ainda mais o volume da represa. Ainda mais com o momento de estiagem que estamos passando. Por isto foi decidido, pode ser muito prejudicial no futuro”, explicou.

De acordo com o diretor de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Júlio Gonchorosky , acredita-se que as chamas começaram por uma ação humana. “Moradores da região nos relatam que pescadores da beira do rio costuma acender fogueira para se esquentar ou espantar cobras e isso, infelizmente, acaba causando um grande dano a todos”, destacou.

Veja a proporção do incêndio na Região Metropolitana