O Instituto Médico-Legal do Paraná de Curitiba (IML) foi invadido, por volta das 2h da madrugada deste sábado (28), por parentes de dois suspeitos mortos durante troca de tiros com a polícia, na noite desta sexta-feira (27), no bairro Hauer, em Curitiba. Os familiares estariam inconsoláveis e teriam entrado sem autorização na sala de necropsia, onde estavam os corpos dos suspeitos.

(Foto: Google Street View/Reprodução)

Alexandre Mikos, diretor-administrativo do IML, conta que a mãe de um dos suspeitos queria ver o filho e teria tentado abraçar o corpo dele durante a invasão. “A mãe estava um pouco exaltada e dizia ‘quero ver meu filho, quero ver meu filho’, então entraram na sala de necropsia e ela tentou até abraçar o filho, mas foi contida. Foi tudo contido, deu até para entender por conta da situação que a mãe está passando”, afirmou Mikos.

Não foi necessário a intervenção da Polícia Militar (PM), que estava no local, para conter as cinco pessoas que teriam invadido a sala. “Não houve necessidade de intervenção dos policiais, eles só acompanharam. Não vamos abrir boletim de ocorrência nem nada, porque não foi nada de tão grave e até por conta da situação dos familiares a gente entende” disse o diretor-administrativo.

A equipe da PM orientou os familiares a retornarem na manhã deste sábado, quando os dois corpos foram liberados pelo IML.

Confronto

Quatro suspeitos, que conduziam um veículo roubado, foram mortos em troca de tiros com a polícia, na noite desta sexta-feira (27), na esquina da rua Maj. Fabriciano do Rêgo Barros com a rua Padre Dehon, no bairro Hauer, em Curitiba. Os suspeitos estavam em um Tucson preto e fugiram em alta velocidade após tentativa de abordagem dos policiais, encerrando a perseguição apenas depois de capotarem o veículo em colisão com outro carro.