Erivelton Delanora, de 39 anos, está desaparecido desde a última quinta-feira (17), quando saiu para comprar um refrigerante, por volta das 19h30, a pedido da esposa, no bairro Alto Boqueirão, em Curitiba. De acordo com a família, o homem perdeu a avó há pelo menos dois anos, logo em seguida seu filho foi diagnosticado com câncer no cérebro e enfrentava uma forte depressão.

Foto: Divulgação/DHPP

Dieniffer Delanora, irmã do desaparecido, procurou a Banda B e relatou que a família já foi à delegacia para registrar Boletim de Ocorrência e que percorreram bairros próximos à casa em busca do irmão. “Bastante gente o conhece por aqui e saímos com uma foto dele o procurando. Ele sempre foi trabalhador, não bebe e não fuma, ajuda a esposa a vender trufas, corta grama, entrega panfletos”, afirmou.

Além de procurarem na região, a família divulga fotos pelas redes sociais. Segundo a irmã, ele estaria usando a blusa da foto abaixo, calça moletom cinza, boné cinza e marrom, tênis verde, relógio dourado e uma corrente no pescoço, também dourada, com o escrito: “Pai Nosso”.

Foto: Arquivo Pessoal

A esposa, com quem Erivelton é casado há cerca de seis anos, disse que o desaparecimento aconteceu logo depois de um passeio que ela, o marido e o filhos fizeram. “Chegamos em casa por volta das 18h20. Quando foi 19h30, minha irmã me ligou e fiquei conversando com ela. O Lucas [filho] pediu refrigerante e o Erivelton disse que ia comprar do lado de casa. Essa foi a última vez que vi ele”.

“O de quatro anos e o outro menino de dois não param de chorar chamando pelo pai”, disse Dieniffer.

A irmã do homem ainda disse, durante entrevista à Banda B, que a família tem passado por momentos difíceis em termos financeiros. Depois que a avó morreu, Erivelton teria entrado em depressão profunda: “Ele não conseguiu se despedir dela, lá em Saudade do Iguaçu, e depois descobriu a doença do filho. Ele ficou sem rumo depois disso, até tentou tirar a própria vida várias vezes”, concluiu.

Contato

No caso de informações sobre o desaparecido, a população pode entrar em contato com a Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) através do telefone (41) 3360-1400.