O localizador de Justiça José Donizete Xavier, de 60 anos, morreu na noite desta quarta-feira pelo novo coronavírus, em Curitiba. A vítima estava internada no Hospital do Trabalhador (HT) e não resistiu a duas paradas cardíacas. O filho dele, o vendedor de carros de luxo Diogo Alves, de 35 anos, está internado no Hospital Evangélico em estado crítico.

Filho está em estado grave e pai morreu pelo coronavírus (Foto: Reprodução Facebook)

 

A Banda B conversou com Diohana Alves, filha de José e irmã de Diogo, que fez um apelo as pessoas. “Esse vírus maldito pegou a nossa família. As pessoas parecem só acreditar quando chegam perto delas. Pois acreditem! Nossa família está devastada. Meu pai morreu e meu irmão está há duas semanas na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em estado gravíssimo”, lamentou.

De acordo com Diohana, o vírus teria sido contraído primeiro pelo irmão, em uma viagem a Goiás. “Ele viaja muito, esteve em um avião e acredito que foi neste momento que tudo aconteceu. Ele sentiu falta de ar foi para a UPA do Campo Comprido e acabou entubado. Depois meu pai também sentiu os sintomas e morreu após uma semana de UTI. Eu e minha mãe também ficamos doentes, mas tivemos sintomas leves”, descreveu.

Segundo a filha, o enterro aconteceu nesta quinta-feira em caixão lacrado. “Conseguir dar um último adeus pela UTI e só. Caixão lacrado, sem tempo de se despedir do meu pai, que era um grande cara, muito alegre e feliz. Agora estamos em corrente de oração pelo meu irmão, mas o estado é crítico”, concluiu.

A morte de José Donizete deverá ser confirmado no próximo boletim divulgado pela Prefeitura de Curitiba. Ele tinha diabetes e hipertensão. Já o filho apresentava apenas sobrepeso.

Nota

A Associação dos Oficiais de Justiças do Paraná emitiu nota de luto pela morte de José Ferreira:

É com muito pesar que comunicamos o falecimento do localizador José Donizete Xavier na noite de ontem. José Donizete estava internado por causa do COVID-19 e teve 2 paradas cardíacas que o levou  a óbto. Companheiro de trabalho nas diligências de buscas e apreensões, ele era o preposto dos bancos o qual recebia o bem apreendido como depositário.

José Donizete era muito querido pelos colegas de trabalho. Era uma pessoa muito carismática, positiva e bem humorada. Todos os dias pela manhã enviava mensagens de bom dia aos colegas.  Dono de uma personalidade única, estava sempre de alto astral, brincando, conversando, sorrindo e sempre pronto à ajudar. A categoria dos Oficias de Justiça e os demais colegas localizadores lamentam profundamente sua morte. Fica em nossos corações as lembranças de um amigo muito querido e a tristeza do Adeus.