A Comissão Especial de Avaliação de Pontes e Viadutos da Câmara Municipal de Curitiba (CMC) se reuniu com técnicos do Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná (DER-PR) e da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) para discutir a duplicação do Viaduto do Orleans, principal ligação viária entre os bairros Santa Felicidade e São Braz. Em reunião iniciada às 12h, desta terça-feira (3), os vereadores tomaram conhecimento do andamento da situação para o início da obra, que teve os recursos para a realização do projeto-executivo garantidos pelo Governo do Estado.

(Ilustração IPPUC)

O presidente da Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba, Gilson Santos, explica que apenas com o projeto-executivo em mãos será possível dar início à abertura da licitação da obra no viaduto. “Você só pode licitar a obra com o projeto-executivo, onde estará descrito o que deverá ser feito, questões de engenharia, quantitativa de materiais, investimentos, enfim, o todo o DNA da obra. E há toda disposição do governo em relação ao projeto-executivo em finalmente dar à população essa obra tão importante em Curitiba”, afirmou.

O presidente da Comissão de Pontes e Viadutos, Mauro Ignácio (PSB), destacou que foi informado nessa reunião que o estudo para a realização do projeto já está pronto e falta apenas uma validação da concessionária CCR Rodonorte. “Esperamos dar celeridade nisso para que, no inicio do ano, tenha início o projeto-executivo e a licitação, que será com o dinheiro do Governo do Estado, e em breve tenhamos a duplicação do viaduto do Orleans”, disse ele.

Segundo Ignácio, a obra é uma necessidade antiga e que é discutida há seis anos. “Sabemos que é uma prioridade do governador Ratinho Junior e também do prefeito Rafael Greca, e queremos saber em que pé está essa situação”, apontou. Ele lembrou ainda que o Viaduto do Orleans está estagnado há alguns anos e há necessidade de uma medida urgente para resolver o fluxo grande daquele local. “Precisamos viabilizar esse projeto e assim executar a obra necessária de um custo aproximado de 30 milhões”, completou ele.

O relator da Comissão Especial de Avaliação de Pontes e Viadutos da CMC, Bruno Pessuti (PSD), anunciou que os vereadores farão uma inspeção no local, junto com os engenheiros do Instituto de Engenharia do Paraná e da Universidade Federal do Paraná. A data previamente agendada é no dia 12 deste mês.

O técnico do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) Fabiano Losso explicou que o estudo para a duplicação do Viaduto do Orleans está pronto e já foi aprovado e divulgado publicamente.

Comissão de Pontes e Viadutos

A Comissão Especial para Avaliação de Pontes e Viadutos foi criada há duas semanas, com o objetivo de vistoriar a segurança dessas estruturas, avaliar o impacto viário na região, estabelecer um catálogo oficial e concluir um relatório final para enviar para providências da Prefeitura de Curitiba. Os vereadores fizeram a primeira diligência na última sexta-feira (29), quando visitaram uma ponte no Tingüi e o Viaduto do Colorado.

A comissão também abriu canais para que a população faça contribuições ao identificar algum problema nas pontes e viadutos da cidade. Um site foi desenvolvido especialmente para o trabalho dessa comissão. E as pessoas podem utilizar as redes sociais, postando fotos e vídeos com a #ponteseviadutoscuritiba.

“As pessoas estão convidadas a enviar fotos e fazer denúncias. Compartilhem, passem isso para os seus amigos, para os seus vizinhos, para que todo mundo possa participar e para que a gente possa fazer um bom trabalho e evitar que uma tragédia ocorra na cidade de Curitiba, assim como já aconteceu em outros lugares com quedas de pontes e viadutos”, disse o relator Bruno Pessuti.

Pessuti ainda revelou, nesta terça-feira, que a comissão pediu “de maneira oficial um relatório de todos os viadutos que são de responsabilidade do DER que estão localizados na cidade de Curitiba, para tornar essas obras de engenharia de conhecimento da população, para que as pessoas saibam onde estão viadutos, o ano que foram construídas, quem foram os responsáveis pela construção e o estado de conservação desses viadutos”.