O governador Ratinho Junior anunciou, na tarde desta terça-feira (30), uma série de medidas restritivas válidas por 14 dias em sete regiões do estado, incluindo toda a região metropolitana de Curitiba. A decisão foi tomada no dia em que o Paraná registrou o recorde de casos e mortes em 24 horas, com 1536 e 36 respectivamente. O decreto é válido para 134 municípios e começa a valer nesta quarta-feira (1). O comércio é uma das atividades econômicas mais afetadas.

Reprodução

Em entrevista coletiva, Ratinho afirmou que conversou com os prefeitos das grandes cidades afetadas pelo decreto e também com os presidentes das associações de município. Há uma preocupação também para a redução do número de pessoas no transporte coletivo.

O Governo do Paraná evita falar em ‘lockdown’ e admite que essa ainda é uma possibilidade. “Existe possibilidade de lockdown? Existe, mas é a medida mais enérgica que poderíamos tomar e estamos contando com o apoio da população para evitar”, disse.

Confira as medidas que foram divulgadas pelo líder do governo na Assembleia Legislativa, Hussein Bakri:

– Por 14 dias – prorrogáveis por mais 7, se necessário –, ficam restringidas as atividades econômicas não essenciais, como shoppings, galerias, comércio de rua, feiras, salões de beleza, academias, bares, casas noturnas.

– O transporte público poderá atender somente os funcionários dos serviços considerados essenciais, e os veículos só poderão circular conforme a quantidade de assentos.

– O funcionamento dos mercados ficará restrito de segunda a sábado, das 7h às 21h. O fluxo ficará limitado a 30% da capacidade total, devendo ser controlado com a distribuição de senhas. O acesso será limitado a uma pessoa da família e está proibida a entrada de menores de 12 anos.

– Fica suspenso o funcionamento de serviços de conveniência em postos de combustíveis – exceto nas rodovias.

– Restaurantes e lanchonetes poderão atender somente no sistema drive-thru, delivery ou take away (retirada no balcão).

– Reuniões profissionais ou pessoais devem ser realizadas virtualmente e, quando necessário, com no máximo 5 cinco pessoas e afastamento de 2 metros entre si.

– A abertura de parques, praças e demais áreas coletivas ao ar livre fica a critério de cada prefeitura.

– A fiscalização será realizada pela Polícia Militar em parceria com as Guardas Municipais, sob pena de multa em caso de descumprimento.

– Também serão suspensas as cirurgias eletivas diante da escassez de medicamentos anestésicos e relaxantes musculares.

Mais informações em breve.