Uma festa clandestina com 122 pessoas foi interrompida pela Guarda Municipal (GM), na noite desta sexta-feira (4), no bairro Hauer, em Curitiba. Os festeiros estavam em um salão de festas comercial, localizado na rua Marechal Floriano. A Guarda Municipal identificou o proprietário e registrou Boletim de Ocorrência (BO). A Prefeitura Municipal de Curitiba informou que tomará as medidas administrativas e jurídicas cabíveis para punir o infrator.

Guardas tiveram ciência sobre a festa clandestina após uma denúncia anônima, por meio do 153. Atualmente,há vigente em Curitiba o decreto municipal 1640, que dispõe sobre medidas restritivas a atividades e serviços para o enfrentamento do avanço do coronavírus. A capital segue em situação de Risco Médio de Alerta – Bandeira Laranja, conforme Protocolo de Responsabilidade Sanitária e Social de Curitiba.

No salão, os 122 participantes presentes na festa clandestina foram orientados a retornar às suas casas, uma vez que está em vigência também o toque de recolher no período de 23 h às 5h da manhã, segundo o decreto estadual 6294, que também restringe atividades e serviços.

Monitoramento

A Secretaria de Defesa Social e a Guarda Municipal estão monitorando demais festas clandestinas marcadas para este final de semana em Curitiba. Os promotores de eventos e os proprietários dos locais que sediarem as festas correm risco de serem acusados de crime sanitário, por estimular a propagação do coronavírus.

Operação

Ainda na noite desta sexta-feira (4), a Aifu realizou 14 fiscalizações em diferentes bairros. Foram interditados 6 estabelecimentos por não atenderem ao Decreto Nº 1600/2020 e/ou Resolução 1/2020: tiveram as atividades paralisadas: um bar e lanchonete na Vila Izabel; um bar e restaurante no Água Verde; um restaurante e churrascaria no Portão; duas casa noturnas no Centro e Bom Retiro, um restaurante no Uberaba.

Entre os locais interditados, uma casa noturna no Bom Retiro foi notificada por Comércio Irregular. Oito locais que haviam sido denunciados pela população e estavam no roteiro da Aifu estavam fechados (sem atividade) no momento da ação de fiscalização-