Sem dar notícias desde o dia 29 de abriu, o desaparecimento do jovem Eriton Michael dos Santos, de 25 anos, tem preocupado a sua família em Curitiba. Morador do bairro Uberaba, ele saiu de casa sem dizer onde iria. Desde então, já se passaram 20 dias sem qualquer nova notícia. Na ocasião, o jovem deixou apenas um aviso para os pais. O principal motivo de preocupação, porém, está no fato de Eriton ter transtornos mentais.

De acordo com a tia de Eriton, Marilene dos Santos, é a terceira vez que ele faz algo assim. “O pai e a mãe estavam trabalhando no dia. Dizem que ele deixou uma cartinha para o pai que estava saindo de casa. Já é a terceira vez que ele faz isto. No entanto, normalmente, ele procura a mãe, a irmã ou eu, logo depois de sair. Este período chega a ser, no máximo, de cinco dias. Agora, já faz um mês e ele não procurou ninguém”, contou.

 

Foto: Arquivo Pessoal

 

Passado este tempo, amigos e familiares ainda realizam buscas por toda a cidade. A tia revelou que o Boletim de Ocorrência (BO) já foi realizado.

“Já faz um tempo que a irmã dele sai de moto e vai nos possíveis locais onde achava que ele poderia estar. E não conseguiu encontra-lo. O pai foi na delegacia para fazer o boletim. Porém, não conseguiu devido ao coronavírus. Aí, o irmão teve que fazer o BO pelo site”, comentou ela.

Ajuda

A tia aproveitou o momento para pedir ajuda a comunidade curitibana em descobrir o paradeiro de Eriton. Ela deu características físicas que podem ajudar na identificação do jovem.

Apesar de não saber maiores informações sobre como foi o dia do desaparecimento, ela quis deixar outras informações as pessoas que se solidarizarem com a história. No fim, a mensagem é destinada ao próprio Eriton.

“Eu não sei a roupa que ele saiu. Mas, é um menino magro e alto. Bem sorridente. Você conversa com ele, e ele só fica sorrindo, sabe? Ele é moreno claro. A gente está desesperado procurando ele. Nós só pedimos que caso ele esteja nos lendo esta mensagem, que volte para a casa o quanto antes, ou, que procure a família”, implorou.

 

Colaboração/DHPP

 

Qualquer informação sobre o paradeiro de Eriton pode ser repassada à Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) pelo número 041 3360-1400.