Familiares e amigos de Haley Lucas, de 11 anos, foram às ruas para protestar e pedir justiça após o menino ter sido atropelado e morto por uma motocicleta, na noite do dia 8 de novembro, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. O protesto, que reuniu dezenas de pessoas, aconteceu na tarde deste sábado (14), no bairro São Judas Tadeu, no mesmo município onde aconteceu o acidente.

À Banda B, a família do menino disse que o motociclista omitiu socorro após o atropelamento. “Nem cachorro fica no chão jogado como ele ficou. Estamos aqui para pedir justiça e queremos que ele pague pelo que fez. Foi desumano”, disse Alex, primo da vítima.

 

 

A mãe do garoto, bastante emocionada, lamentou o ocorrido e ressaltou que o piloto da motocicleta não prestou socorro. “Essa pessoa não tem sentimento? Não tem coração? Eu nunca mais vou ter meu filho comigo. Ele não parou pra socorrer, não fez nada”, afirmou Sabrina. E comentou sobre o julgamento recebido após o acidente: “Muita gente me julgando sobre o porquê de ele estar na rua, ele era só uma criança e estava brincando!”

Já o pai, Eliel Siva, mostrou revolta sobre a pena em casos de homicídio culposo, quando não há intenção de matar. “Quatro anos para esse tipo de delito não é cabível. Deveria ser aplicada uma pena muito maior. Ele deixa família e amigos aqui. Tirou o sonho de uma criança por imprudência”, protestou.

 

 

Além disso, Silva também descreveu como o atropelamento teria acontecido: “Atropelou meu filho no acostamento e pelas costas, e fugiu. Ele e nem a família deram qualquer apoio para a gente”.

Atropelamento

O acidente que tirou a vida de Haley, aos 11 anos de idade, aconteceu na noite de domingo (8), por volta das 20h30, no km 77 da BR-277, em São José dos Pinhais. Segundo apurado, a vítima estaria andando de bicicleta quando tudo aconteceu.