Uma faixa em forma de protesto foi fixada na manhã de segunda-feira na rotatória do bairro Centro Cívico, em Curitiba, em frente à sede do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). A manifestação cobra o julgamento do ex-prefeito de Piên e atual candidato ao pleito municipal, Gilberto Dranka, acusado de ser o mandante do assassinato de duas pessoas em 2016, uma delas o prefeito eleito da cidade, Loir Dreveck, que nem chegou a tomar posse.

Faixa colocada no Centro Cívico nesta segunda-feira (Foto: Colaboração)

 

Depois de ficar preso por um ano, Dranka está em liberdade monitorada por tornozeleira eletrônica e se candidatou a prefeito da cidade mais uma vez. Em Piên, as famílias das vítimas mantém também um painel pedindo “Justiça” pelos dois assassinatos. Segundo a defesa de Dranka, a iniciativa da faixa é eleitoreira, por ele ter uma candidatura sólida na cidade metropolitana.

Loir Dreveck e Genesio de Almeida foram mortos a tiros pela mesma pessoa. A acusação aponta que ela que teria sido contratada por Dranka para matar apenas o prefeito eleito, mas matou também Genesio por engano. O atual candidato a prefeito nega participação nos crimes.

Segundo Cláudio Dalledone Junior, advogado de Dranka, a faixa é política. “Ela tem um cunho meramente eleitoreiro. O Dranka responde a uma acusação que é inocente e não há nada que confirme o delito, estando a inteira disponibilidade das autoridades. O que há é um recurso do Ministério Público devido à retirada de algumas qualificadoras. Estamos prontos para o julgamento popular”, afirmou à Banda B.

O processo segue tramitando no TJ. Será a primeira vez na história da região metropolitana de Curitiba que um candidato a prefeito vai disputar a eleição sendo monitorado pela Justiça. Procurada, a assessoria de imprensa do TJ afirmou que não haverá manifestação sobre o caso.

(Foto: Reprodução)