Um grupo de 14 ex-moradores de rua está tendo oportunidade de recomeçar a vida e conquistar um lugar no mercado de trabalho. Nesta quinta-feira (28/6) eles participaram da formatura no curso de pintura automotiva no Senai, no Boqueirão. O projeto é uma parceria entre a Fundação de Ação Social (FAS) Trabalho, Instituto Barigui e a Casa da Cidadania, de Araucária.

Os alunos, que passaram um período morando nas ruas, estão sendo acolhidos nas unidades da FAS e da Casa da Cidadania e à tarde cursam o programa da capacitação, em que aprendem sobre manutenção, preparação e pintura de superfícies automotivas.

Fabiano Ricardo Ferreira, de 44 anos, que há sete meses deixou as ruas, já sonha com um emprego em uma oficina. “Quero mudar de vida. É um desafio começar tudo do zero, em uma nova profissão, mas aqui está todo mundo na mesma situação, então é mais fácil se acostumar”, diz ele. “Gostaria de conseguir emprego em uma montadora ou em uma oficina”, diz ele.

Luiz Claudio Nazário, de 54 anos, por sua vez, tem planos de abrir a própria oficina. “Na minha idade é mais fácil ter o próprio negócio”, diz ele, que conta que foi morar na rua depois de perder o emprego e não ter como pagar aluguel. Criado em orfanato, Nazário estudou até o ensino fundamental e na vida adulta teve problemas com o álcool. Agora está há dois anos sem beber. “Eu trabalhei em várias empresas, como oficinas, além de indústrias de máquinas e manutenção. Então o curso está sendo muito bom”, conta ele.

Com custo médio de R$ 2,2 mil por pessoa, o curso é bancado pelo Instituto Barigui. Os alunos são indicados pela FAS. “Este é o exemplo de uma parceria de sucesso formada pela Prefeitura de Curitiba, por meio da FAS Trabalho, o Instituto Barigui e o Senai. Todos, engajados, atuando na atenção a pessoa em situação de rua. Juntos compartilhando metodologias, espaços e recursos humanos, sob os pilares do desenvolvimento comportamental, profissional e emocional”, diz Fabiano Vilaruel, superintendente do trabalho e emprego da FAS Trabalho.

“Formamos uma grande equipe e estamos todos empenhados para que os alunos tenham o melhor aproveitamento possível e possam com o conhecimento adquirido romper barreiras e serem reinseridos no mercado de trabalho.”, completa.

Segunda turma

Anny Caroliny Alves dos Santos, analista de projetos sociais do Instituto Barigui, conta que essa é a segunda turma com ex-moradores de rua. “Fizemos um piloto no ano passado, com curso de mecânica, mas alguns alunos acabaram desistindo por não conseguir acompanhar. Nesse ano resolvemos fazer na área de pintura, que não exige conhecimento técnico prévio, e está sendo um sucesso” diz.

Depois de formados, eles passarão ainda por um processo de preparação para o mercado de trabalho, com informações sobre como elaborar um currículo e se portar em entrevistas de emprego. “Passada essa etapa, são encaminhados para vagas de empresas parceiras”, diz Anny. No ano passado, um dos alunos que se formou no curso de mecânica conseguiu um emprego em um lava-car.