Foto: Almir Alves/Colaboração Banda B

Terminou na manhã desta sexta-feira (18) a saga da ‘Casa Flutuante de Matinhos’, no litoral do Paraná. Por volta das 11h, a prefeitura do município mobilizou equipes para realizar o transporte da residência pelo mar até o seu local de origem, na baía de Guaratuba.

Após perícia realizada pela Capitania dos Portos, descartou-se essa opção, devido ao estado deteriorado da casa. “Após esse relatório, tentamos tirá-la inteira da praia hoje pela manhã, mas a casa acabou encalhando”, disse o secretário de Meio-Ambiente de Matinhos, Sérgio Luiz Cioli.

Percebendo que tanto a estrutura de madeira quanto a de flutuantes estavam condenadas, funcionários da prefeitura e do Emater (Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural) optaram por desmontar o imóvel.

“A casa estava no mar desde 2011. A madeira estava inutilizada, não tinha como ser reaproveitada. Chegamos à conclusão de que a melhor opção seria a demolição e a retirada dos destroços, encaminhando para o aterro vegetal de Matinhos e para o depósito de madeira da cidade”, concluiu.

Relembre o caso

Por volta das 9h da manhã da última quinta-feira (17), pescadores encontraram uma casa à deriva em alto mar enquanto saíam para trabalhar, em Matinhos, no litoral do Paraná. O imóvel, usado para o cultivo de ostras, saiu baía de Guaratuba após as fortes chuvas da madrugada de quarta-feira (16).

O pescador Lopes Fabiano Ramos, mais conhecido como ‘Sapo’, foi um dos primeiros a ‘descobrir’ a moradia flutuante. “Todo mundo se assustou. Eu peguei a minha embarcação e tentei rebocar a casa para Matinhos, mas não consegui porque a casa era muito pesada”, contou.

Horas depois, a casa chegou à orla da praia, próxima ao Balneário de Inajá, ainda em Matinhos.