Foto: Divulgação SMCS

 

O Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp) divulgou, na tarde desta terça-feira (6), uma nota em que promete ir à Justiça caso a assembleia convocada pelo Sindicato dos Motoristas e Cobradores (Sindimoc) atrapalhe a circulação dos coletivos na capital paranaense. A mobilização está marcada para a Praça Rui Barbosa e vai discutir uma possível greve geral da categoria em protesto contra a proposta que pode acabar com a profissão de cobrador em Curitiba.

De acordo com o Setransp, será feito um pedido de reparação caso a assembleia “afete o serviço regular de transporte coletivo, prejudicando não apenas os passageiros, bem como o comércio, a indústria, os colégios e hospitais.”

Para o Setransp, a possível aprovação de indicativo é “desproporcional e descabida”, já que o projeto ainda terá um longo período de debates e discussões na Câmara Municipal. “O Setransp está cumprindo o que foi acordado na Convenção Coletiva: garantindo estabilidade por 12 meses, dando ciência aos trabalhadores e disponibilizando a requalificação. Até o momento, cerca de 2,5 mil cobradores demonstraram interesse nos 57 cursos oferecidos pelo Senat [Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte].”

O projeto da Prefeitura de Curitiba, se aprovado, abre caminho para a implantação da bilhetagem eletrônica em toda a cidade, assim como atualmente já acontece com os micro-ônibus. Para o Sindimoc, a medida leva à extinção da profissão do cobrador e é vista com preocupação pela entidade.

“No contexto de desemprego, com milhões de brasileiros desempregados. Com o Paraná tendo mais de 200 mil pessoas procurando emprego e outros milhares na informalidade, é inadmissível um projeto de lei que causa a demissão de 6 mil pais e mães de famílias. Isso é o equivalente a praticamente três montadoras, onde essas pessoas vão trabalhar? Não podemos admitir isso, vamos lutar até o fim para impedir que essa medida avance na Câmara Municipal”, afirmou o presidente do Sindimoc, Anderson Teixeira.

Modernização

O Setransp defende a aprovação do projeto e diz que a ideia é modernizar o sistema e dar mais eficiência e controle quanto à cobrança de passagens, a fim de proporcionar mais rapidez nos embarques e oferecer novas funcionalidades em benefícios dos passageiros. “Além disso, a nova bilhetagem trará mais segurança ao transporte coletivo, pois o pagamento da tarifa se dará por meio da utilização de cartão eletrônico, retirando a circulação de dinheiro de dentro dos ônibus e, com isso, reduzindo a ocorrência de assaltos, que tantos transtornos têm causado à população”, diz a entidade empresarial.