Um comunicado do Ministério da Saúde, no início de abril, listou os tecidos recomendados para confecção de máscaras caseiras. Tecido de saco de aspirador; cotton (composto de poliéster 55% e algodão 45%); tecido de algodão (como o usado na produção de camisetas) e fronhas de tecido antimicrobiano impedem a disseminação de gotículas expelidas pelo nariz ou pela boca do usuário no ambiente – garantindo uma barreira física caso confeccionadas corretamente (cobrindo totalmente boca e nariz) e higienizadas.

(Foto: Reprodução)

Os resultados positivos de pesquisas sobre o uso de máscaras caseiras, e o direcionamento de máscaras cirúrgicas e filtrantes estritamente para profissionais de saúde, mobilizou muitas pessoas e empresas para a confecção dos itens de proteção. É o caso do Instituto A.Yoshii, entidade do Grupo A.Yoshii voltada à responsabilidade social, que iniciou a campanha “Máscara Solidária”, fornecendo o material necessário, orientando no passo a passo e convidando os colaboradores voluntários da construtora e suas famílias a produzirem máscaras caseiras.

A cada cinco máscaras feitas, o Grupo doará 1kg de alimento não-perecível ao Instituto, que repassará a doação para famílias em maior situação de vulnerabilidade social dos educandos da Guarda Mirim de Londrina.

“Passamos todas as informações necessárias sobre as máscaras, como funcionam e como devem ser corretamente higienizadas, e criamos um tutorial para a confecção. Desta forma mobilizamos todos os colaboradores a se protegerem e a contribuírem com uma nobre causa”, diz a presidente do Instituto A.Yoshii, Simoni Bianchi. A campanha já movimentou mais de 50 colaboradores e acumula a produção de 1.500 máscaras.

Sustentabilidade

Desde o início das atividades em 2006, o Instituto A.Yoshii responde pelas ações de RSE do Grupo A.Yoshii, tendo como premissa as diretrizes do Pacto Global e nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), com atuação em projetos próprios de fomento à Educação, Meio Ambiente e Cultura.