O governador Ratinho Junior realizou reuniões por videoconferência neste sábado (28) e domingo (29) com 20 prefeitos das maiores cidades paranaenses. O objetivo foi reforçar a necessidade de aplicação das medidas que foram adotadas no Estado para a prevenção ao novo coronavírus, além de trocar experiências e alinhar as ações conjuntas de enfrentamento à Covid-19 no Paraná.

(Foto: AEN)

Durante a reunião, o prefeito de Curitiba, Rafael Greca, defendeu que todos ajam da mesma maneira para que o estado se mantenha forte no objetivo de salvar vidas e minimizar os impactos da covid-19 sobre a economia.

“Temos que estar unidos nesse momento em que a dualidade de comunicação não pode existir. Temos que ter uma mensagem única, falar a mesma língua. Somos mais fortes que qualquer dificuldade. O ânimo não pode faltar. Temos fé na vida e nos serviremos de tudo que sabem a ciência e a medicina para enfrentarmos esse momento”, destacou Greca.

“Confio plenamente nas orientações do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, do secretário estadual da Saúde, Beto Preto, e da secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak”, completou o prefeito.

Prefeitos e secretários descreveram a situação nas suas cidades e os desafios enfrentados com o crescimento do número de casos do novo coronavírus.

“Precisamos pensar em conjunto, trocar experiências e unificar ações para que erremos o menos possível. A pandemia não é uma corrida de cem metros. É uma maratona, que em 15 dias não se resolve. Vamos enfrentar essa situação até junho, julho e por isso é preciso criar um modelo de gestão de crise”, disse Ratinho Júnior.

Mais testes

A secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, ressaltou a necessidade da ampliação dos testes de verificação da covid-19 para melhorar o monitoramento do avanço da doença. A proposta é atuar em parceria com o governo estadual no Laboratório Municipal de Curitiba ou no Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen), com o trabalho sendo feito em conjunto com a equipe municipal de saúde.

“Precisamos fazer, pelo menos 100 testes por semana para pacientes suspeitos. Estamos entrando no outono, que é um período em que há um crescimento de quadros de problemas respiratórios e vamos precisar fazer mais testes”, declarou Márcia.

A secretária também enfatizou a necessidade de ampliar a oferta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para profissionais de saúde. “Temos feito um esforço muito grande, ainda temos estoque e estamos usando máscaras escudo impressas em 3D pela FabLab na Rua da Cidadania do Cajuru, mas vamos precisar de mais”, acrescentou.