O Sindishopping (Sindicato dos Lojistas do Comércio Estabelecidos em Shopping Centers de Curitiba) publicou nesta sexta-feira (8) uma carta aberta direcionada ao governador do Paraná, Ratinho Junior, pedindo que os shoppings da capital sejam reabertos. No texto do documento, a entidade explica que a reabertura respeitaria todas as medidas recomendadas pelas autoridades de saúde e que esse período de fechamento pode ser fatal para muitos lojistas do setor.

(Foto: Divulgação)

A presidente do Sindishopping, Carolina Assis, afirma que a carta foi uma tentativa de sensibilizar o governo e reivindica o mesmo tratamento dado ao comércio de rua. “A gente não tem uma igualdade de tratamento como o comércio de rua. O que pedimos é uma abertura gradual ou fazer um teste durante um final de semana para comprovar se realmente um shopping center aumenta o número de casos de coronavírus”, defende Assis.

Na carta, o sindicato diz que os lojistas estão preparados para aplicar todas as normas e procedimentos necessários para que uma breve abertura ocorra, com toda segurança indispensável para manter a saúde dos consumidores e colaboradores.

Entre as medidas de prevenção do contágio pelo vírus, segundo a presidente da entidade, estariam o controle da entrada de pessoas nos shoppings, do número de clientes dentro das lojas e o controle até mesmo do uso das escadas rolantes. “É um ambiente totalmente controlado, muito mais que uma loja de rua, muito mais que um supermercado”, diz Assis.

Crise

Após quase dois meses de fechamento dos shoppings, o receio do setor que conta com mais de 6 mil lojistas e cerca de 19 mil trabalhadores é que muitos não consigam se recuperar ao fim da crise.

O fechamento do PolloShop, com seus 220 lojistas, teria mostrado que muitos não conseguirão reabrir suas lojas em outros estabelecimentos, pois sem faturamento por mais de 30 dias, não teriam caixa para uma nova abertura. A demissão de funcionários estaria aumentado a cada dia, mesmo com a adesão dos lojistas aos programas do governo.

A segunda melhor data para o comércio, o Dia das Mães, estaria muito distante de alcançar o faturamento mínimo para a sobrevivência dos empresários do ramo.

Leia a íntegra da carta aberta ao governador do estado:

“Curitiba, 08 de maio de 2020.

Ao Exmo. Sr. Governador Carlos Massa Ratinho Junior

Como representante dos lojistas estabelecidos em Shoppings Centers dessa Capital, permita-nos colocar diante de V.Exa, nesse momento de importante decisão sobre o Covid -19, a nossa grande preocupação com a sobrevivência do nosso setor. Somos mais de 6 mil lojistas e empregamos, diretamente, cerca de 19 mil trabalhadores, são muitas família abrangidas!

Estamos com nossas lojas fechadas há 50 dias e isso pode se tornar definitivo pra muitos de nós! Nossa segunda melhor data, o Dia das Mães, está muito distante de alcançar o faturamento mínimo para nossa sobrevivência. A criatividade, o esforço, anos de experiência em relações com o consumo, estão levando muitos Lojistas a buscarem soluções alternativas, mas isso não impedirá que tenhamos uma queda
superior a 2/3 do que pensávamos alcançar.

O fechamento do PolloShop, antigo Equipamento da Capital, com seus 220 lojistas, mostrou que muitos não conseguirão reabrir suas lojas em outros estabelecimentos pois sem faturamento por mais de 30 dias, não teriam caixa para uma nova abertura. A demissão de funcionários tem aumentado a cada dia e mesmo os lojistas que estão aderindo as medidas do governo, não sabem se conseguirão manter os empregos e suas
lojas.

Estamos cientes que a ABRASCE, Entidade que congrega nossos Shoppings, em carta ao Senhor, mostrou como é possível operar, com segurança e responsabilidade, na abertura gradual, viável e monitorada de nossas Lojas.

Buscamos os mesmos direitos de abertura do comércio de rua, temos condições de sermos ainda mais prudentes e organizados por estarmos dentro de ambientes controlados. Estamos preparados para aplicar todas as normas e procedimentos necessários para que uma breve abertura ocorra, com toda segurança indispensável para mantermos a saúde dos nossos consumidores, nossos colaboradores e a nossa. Confiamos no trabalho da Administração dos Shoppings, que vêm se preparando para esse momento de reabertura com muito afinco junto a todos nós lojistas!

Esperamos que acredite na nossa capacidade de fazer valer a segurança e saúde de todos, para que tenhamos condições de voltarmos a atividade, para mantermos e gerarmos empregos.

Assim sendo, certos de sua atenção as nossas preocupações, antecipamos agradecimentos.

Carolina Assis
Presidente”