Os trabalhadores da Renault decidiram manter o estado de greve, em nova assembleia organizada pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC), na tarde desta segunda-feira (27). A empresa anunciou na semana passada a demissão de 747 funcionários da fábrica de São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba.

Foto: Divulgação/SMC

Segundo o presidente do SMC, Sérgio Butka, falta diálogo com a empresa. “Agora ficou claro para a empresa que todos os trabalhadores querem a continuidade do movimento e mais diálogo. Nós queremos diálogo para a manutenção dos empregos e é isso que precisa ficar claro”, afirma Butka.

Ainda de acordo com o presidente, a cobrança não é apenas do sindicato. “Não é só o sindicato que está cobrando, mas também diversas autoridades e movimentos organizados. Quando se começou a dar incentivos fiscais no Paraná se criou uma legislação para que os empregos fossem mantidos como contrapartida. São mais de 50 empresas que receberam incentivos fiscais e a Renault é uma delas. São mais de R$ 12 milhões por ano e isso faz a diferença”, defendeu o sindicalista.

Foto: Divulgação/SMC

No último sábado (25), dezenas de trabalhadores foram até o centro de São José dos Pinhais para protestar contra as demissões. A mobilização aconteceu na Rua XV de Novembro.