A Prefeitura de Curitiba deve publicar ainda nesta terça-feira (30) um novo decreto que permite as adequações necessárias da cidade ao novo decreto estadual sobre a covid-19 anunciada pelo governador Ratinho Junior. O prefeito Rafael Greca comentou as novas medidas e considerou a decisão “prudencial”.

“Eu recebo com serenidade o decreto do governador. É uma medida prudencial. O bom pastor cuida das suas ovelhas. O bom governante cuida da vida do seu povo”, disse o prefeito Rafael Greca.

Foto: Reprodução

Por 14 dias, Curitiba, região metropolitana e outras seis regiões do Paraná terão severas restrições no comércio e nos serviços para tentar frear a rápida propagação do novo coronavírus, de acordo com o novo decreto estadual. A medida é válida a partir desta quarta-feira (1).

Apesar de negar o ‘lockdown’, a medida se aproxima muito a ele, já que apenas serviços essenciais poderão funcionar.

Segundo a lista divulgada pelo líder do governo na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), deputado Hussein Bakri, ficam restringidas as atividades econômicas não essenciais, como shoppings, galerias, comércio de rua, feiras, salões de beleza, academias, bares e casas noturnas.

Outro ponto que chama a atenção é o funcionamento dos mercados, que ficará restrito de segunda a sábado, das 7h às 21h, com fluxo limitado a 30% da capacidade total. Todos os estabelecimentos terão que controlar o movimento com a distribuição de senhas. O acesso ainda será limitado a uma pessoa da família e está proibida a entrada de menores de 12 anos.

Além da região de Curitiba, são afetadas pelo decreto as regiões de Cascavel, Londrina, Foz do Iguaçu, Toledo, Cornélio Procópio e Cianorte. As medidas vão impactar quase 6,3 milhões de pessoas, em 134 cidades do Paraná.