Mariana, Daniela e o produtor Castrão

Dia do Índio é celebrado anualmente em 19 de abril no Brasil, mas o índio deveria ser lembrado todos os dias. Eles são a nossa raíz, a nossa identidade e precisam ser cuidados, respeitados e amados, para que essa história seja preservada e os povos indígenas possam usufruir de todos os seus direitos. Antes da chegada dos primeiros europeus em terras americanas, todos os países que formam este continente eram amplamente povoados por grandes nações indígenas. Infelizmente, a ganância e a crueldade humana fizeram com que muitas tribos fossem totalmente dizimadas e grande parte da cultura indígena foi esquecida.

No Brasil, esta data foi oficializada através do decreto-lei nº 5.540, de 2 de junho de 1943, com assinatura do então presidente Getúlio Vargas. A nível internacional, a Organização das Nações Unidas (ONU) também criou o Dia Internacional dos Povos Indígenas (9 de agosto) para conscientizar os governos e população mundial sobre a importância de preservar e reconhecer os direitos dos indígenas.

Hoje resistem no Brasil pouco mais de 300 etnias de povos tradicionais indígenas. A Aldeia Tupã Nhe’é Kretã está na Serra do Mar em Morretes e vivem ali algumas famílias Guarani Mbyá e Kaingang, com poucos recursos e sem infraestrutura básica, sem luz e nem água já fazem alguns meses. E eles estão bem próximos de nós. Então, aqui fica o convite de uma festa que pretende contribuir para conserto de geradores e assistência básica para a Aldeia.

Um evento beneficente irá unir a todos para que se consiga os recursos necessários para esse momento de extrema dificuldade. Uma das organizadoras da festa, Daniela Nunes, conversou com a Mariana Martins, na Rádio Banda B, na manhã desta terça-feira (Confira abaixo)

Saiba AQUI a programação do evento dia 21.04, 20 horas, na Sociedade Treze de Maio ( R. Des. Clotário Portugal, 274 – Centro)

Assista abaixo a entrevista da artista plástica Daniela Nunes, uma das organizadoras do evento, no Programa Mariana Martins Fala Sério: