O processo de superar a morte de uma pessoa que está ao nosso lado, na rotina diária, não é fácil. Seja pelo contato físico que se foi ou pelo fim do que se esperava no futuro, é fundamental trabalhar de uma forma diferencial com as famílias enlutadas. É o que acontece no Cemitério Vertical de Curitiba, que terá uma programação especial no Dia de Finados, mas que mantém um atendimento diferenciado durante todos os outros dias.

Foto: Cemitério Vertical de Curitiba

 

No primeiro contato com a perda, se faz fundamental a presença de uma cerimonialista para recepcionar as famílias e, na sequência, entra em campo um psicólogo, que acompanha os clientes, dando um prosseguimento após a cerimônia de despedida.

Segundo a cerimonialista Katia de Souza Borba, o fundamental neste tipo de serviço, de acolhimento inicial a família, é ter amor ao próximo. “Precisamos, em primeiro lugar, entender que cada cliente, que passa a morar conosco no Cemitério Vertical, tem por de trás uma história e uma família. Precisamos sempre cuidar de tudo isso neste momento. Nosso acolhimento é particular para cada família”, disse.

De acordo com a cerimonialista, existe uma falsa sensação de que, dependendo do caso, se está mais preparado para receber a notícia da morte. “É uma falsa impressão. Ninguém está realmente preparado. Não se pode cair no erro de achar o contrário, porque isso sempre acaba afetando as pessoas.”, opinou.

Estrutura do Cemitério Vertical de Curitiba

Acompanhamento

Romidal Westphalen pensa da mesma forma e utiliza um serviço oferecido pelo Cemitério Vertical, que fez a diferença em superar o sentimento de perda. “Cada um tem que saber como levar isso. Eu faço a terapia no cemitério e fui muito bem acolhida, isso depois que meu marido faleceu. São três anos e eles são muito queridos”, afirmou.

A mulher perdeu parentes próximos que agora descansam no Cemitério Vertical. É a mesma situação da Dona Maria, que sofreu muito ao perder a mãe. O genro dela, William Felipe Barbier Pereira, descreveu como fundamental o apoio psicológico, dado pelo profissional Tito Livio, que presta serviços ao Cemitério Vertical. “Faz um ano da morte da mãe dela e minha sogra tem ido, fazendo uma grande diferença para ela. Este apoio é muito bom, porque por fora seria mais caro e complicado”, ponderou.

De acordo com o psicologo Tito Livio, algumas pessoas que precisam deste apoio tem uma estrutura frágil e, com isso, o luto pode ser ainda mais forte. “Numa hora desta, a pessoa desaba e não consegue voltar a uma vida normal. Por isso, temos conseguido bons resultados para evitar uma depressão”, salientou.

O serviço é oferecido sem custos aos clientes do Cemitério Vertical de Curitiba. Nesta semana de Finados, o espaço terá uma programação especial de Finados, como destaca a cerimonialista Kátia. “As boas lembranças precisam ficar em evidência. É dia de olhar para a cicatriz e reviver momentos e pensamentos, dia de abrir a caixa da memória”, concluiu.

Para mais informações acesse o site do Cemitério Vertical clicando aqui.

Confira abaixo a programação completa:

(Foto: Divulgação)