Análises preliminares do inquérito policial da Dedetran (Delegacia de Delitos de Trânsito), que investiga o atropelamento seguido de morte de Cauã Henrique de Jesus, de nove anos, dão conta de que o motorista do caminhão, que atropelou o garoto e um amigo na última sexta-feira (2), no bairro CIC, não teve culpa no acidente. A investigação deverá ser concluída nos próximos trinta dias, então essa é apenas uma perícia inicial do caso.

Foto: Marcelo Borges/Banda B

Segundo o delegado Leonardo Carneiro, o condutor de 53 anos estava dirigindo dentro da velocidade permitida e prestou atendimento às vítimas.

“O inquérito foi instaurado para verificar se houve homicídio culposo. Ele não estava sob efeito de álcool ou drogas e possui carteira de habilitação. Pelo menos, nessa análise inicial, não verificamos culpa ou dolo na ocorrência do atropelamento. Agora teremos 30 dias para aprofundar as investigações e tirarmos uma conclusão”, contou à reportagem da Banda B.

Questionado sobre as irregularidades do caminhão, como como pneus carecas em mau estado e o licenciamento com o pagamento atrasado, ele afirmou que, a princípio, esses problemas são ‘administrativos’ e podem não ter contribuído para o atropelamento. “Mas essa conclusão também só teremos ao fim da investigação”, acrescentou.

Leonardo Carneiro salientou também que a reação dos moradores da região, que tentaram linchar o motorista, é descabida e a repercussão nas redes sociais não desviarão o foco da polícia. “Vale como reflexão de que sempre temos de procurar o que realmente aconteceu e não achar culpados a qualquer custo, mesmo com a grande comoção social”, completou.