À esquerda, Mayara hoje como enfermeira; à direita, Mayara em 2007 durante tratamento contra leucemia (Foto: Divulgação Pequeno Príncipe)

 

Já pensou voltar ao lugar onde passou parte de uma adolescência cheia de desafios, agora para fazer justamente o que fizeram por você? Depois de vencer uma batalha, nada melhor do que fazer parte da luta de outros. Esta é a história da enfermeira Mayara Majevski, de 24 anos, que há dois meses trabalha no Hospital Pequeno Príncipe, em Curitiba, justamente no setor em que tratou a leucemia.

A batalha vencida não foi fácil. A menina Mayara adorava praticar natação e sentiu no corpo e na mente o diagnóstico, que veio quando tinha doze anos. “Minha mãe reparou em manchas no meu corpo, em novembro de 2006, onde foi diagnosticada a leucemia. Eu era hiperativa e, especialmente no primeiro mês, foi muito difícil. Depois passou a dar tudo certo”, disse à Banda B.

Mayara já gostava da área da Saúde e nunca brigava por ir ao médico. Isso aflorou ainda mais quando fez o tratamento no Pequeno Príncipe. “Eu já gostava de ir ao médico e, quando descobri a doença, a minha médica até brincou que eu ia enjoar disso agora. Ao ver o atendimento das enfermeiras, cuidando de mim, decidi que queria fazer pelos outros exatamente o que me fizeram. Dando o meu melhor e me especializando justamente em oncologia”, descreveu.

Quis então o destino que viesse a oportunidade de trabalhar no Pequeno Príncipe, onde ela  venceu a batalha contra a leucemia. “Hoje é preciso ir além da questão profissional. Eu consigo ser aquele manto que também acolhe as necessidades de algo que eu já passei na minha vida, que não é fácil e que agora outros estão passando”, disse.

Para concluir, a enfermeira deixou um recado a quem está passando pelo tratamento de uma doença grave. “É inevitável sentir medo, mas sempre a fé e a positividade são muito importantes e devem vir em primeiro lugar. 50% vai ser a fé e vontade de viver e os outros 50% é o tratamento. É possível sim vencer. O câncer não é uma sentença de morte”, concluiu.