Costureiros do “Supera”, programa de costura e geração de renda da Universidade Livre para a Eficiência Humana (Unilehu), estão em busca de doações para a confecção de 100 mil máscaras faciais. Em parceria com a Secretaria da Justiça, Família e Trabalho do Paraná, as máscaras produzidas serão distribuídas de forma gratuita em hospitais, clínicas, asilos, entidades de acolhimento e atendimento de pessoas em vulnerabilidade social, entre outros.

(Foto: Aloisio Mauricio /Fotoarena/Folhapress)

Andrea Koppe, presidente da Unilehu, conta que por causa da pandemia os costureiros do projeto estão sem demanda e com isso surgiu a ideia de fabricar as máscaras. “Estamos convidando empresas e pessoas físicas para doarem recursos para a compra dos insumos e pagamento da mão de obra necessária para a confecção das máscaras. Nós produzimos e entregamos para a secretaria fazer a distribuição”, explicou ela.

A produção das máscaras seguirá as especificações da ANVISA, ou seja serão confeccionadas com material tecido-não tecido (TNT), possuirão no mínimo uma camada interna e uma camada externa e obrigatoriamente um elemento filtrante. A camada externa e o elemento filtrante devem ser resistentes à penetração de fluidos transportados pelo ar (repelência a fluidos). Além disso, deve ser confeccionada de forma a cobrir adequadamente a área do nariz e da boca do usuário, possuir um clipe nasal constituído de material maleável que permita o ajuste adequado do contorno do nariz e das bochechas.

De acordo com Andrea, o valor de custo (material, mão de obra e despesas operacionais) de cada unidade será de 0,90 centavos.

Quem ajudar, além da melhorar um dos cenários mais críticos da saúde pública, a compra das máscaras faciais do Supera tem mais um impacto positivo: a geração de renda para os 20 costureiros que estão sem trabalho por conta da diminuição drástica das vendas na quarentena.

As doações podem ser feitas entrando em contato pelo e-mail [email protected] ou pelo WhatsApp no número 41 9 9679-8098.