Estudantes e ex-alunas do Colégio Estadual do Paraná (CEP) promoverão nesta quinta-feira (13), a partir das 18h, uma manifestação contra assédios sexuais que teriam acontecido dentro de salas de aulas da instituição nos últimos anos. De acordo com as organizadoras, a iniciativa surgiu após as denúncias contra um professor preso em posse de materiais contendo imagens de abuso infantil, em Curitiba. Cerca de 100 pessoas confirmaram presença no evento de amanhã.

Foto: AEN/PR

“Nosso principal objetivo é conseguirmos uma posição da direção para que isso acabe. Aconteceu muitas vezes de algum jovem escrever ata ou pedir ajuda e a direção simplesmente se nega ou afirma que isso ‘é coisa do aluno’. Alguém precisa tomar uma providência, pois isso não pode. Professor é professor e aluno é aluno”, afirmou uma das organizadoras do ato em entrevista à Banda B. Ela preferiu não se identificar, mas também afirmou ter sido vítima de assédios no colégio.

Denúncias

Outra postagem na página ‘CEP SEM ASSÉDIO’ no Instagram. – Reprodução/Instagram

Uma conta no Instagram, chamada ‘CEP SEM ASSÉDIO’, foi criada para a divulgação anônima das denúncias sofridas pelas adolescentes. Segundo uma das criadoras da página, cerca de 15 relatos já foram colhidos. “Uma das alunas chegou a levar o caso à direção, mas foi ignorada pelos funcionários. Eles disseram que não queriam manchar a imagem do Colégio Estadual”, afirmou a ex-estudante, hoje com 18 anos.

Um dos relatos expostos pela página do Instagram afirma que “um certo professor de química já deixou muitas meninas desconfortáveis, inclusive a mim.  Chegava com muita intimidade pra cima de mim, me alisava, beijava meu rosto perto da boca (…) me olhava de maneira desconfortável e já me chamou para ir na casa dele”, escreveu uma das denunciantes.

Em outra postagem, uma anônima diz que “ninguém merece mesmo, triste foi minha amiga que foi assediada por um dos professores, mas o professor foi defendido pelo diretor e uma pedagoga, eu fiquei realmente indignada”.

Em nota enviada à Banda B, a Secretaria de Educação do Paraná afirmou que a manifestação não irá interferir na agenda do Estadual.

Confira a nota na íntegra:

A SEED orienta que qualquer estudante que tenha sofrido algum tipo de assédio no âmbito das instituições de ensino converse com sua família a respeito e procure a direção da escola onde estuda ou o Núcleo Regional de Educação correspondente a fim de registrar formalmente a situação e para que os fatos sejam apurados. A Ouvidoria da SEED também pode ser acionada pelo site www.educacao.pr.gov.br/ouvidoria ou pelo telefone 0800-41-9192.

A pasta reforça que investigações criminais cabem às autoridades. Boletins de ocorrência de violência sexual podem ser registrados em qualquer posto policial. Ministério Público e Conselho Tutelar também podem ser acionados.

Quanto ao CEP, a SEED apura os relatos. O ato marcado para esta quinta-feira (13) em frente à escola, organizado por uma ex-aluna da instituição, não vai interferir no cronograma de atividades do colégio.

Em relação ao professor detido no âmbito da operação Predadores da Rede II, da Polícia Civil do Paraná, no dia 05 de junho, a Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (SEED) informa que acompanha as investigações e que, inicialmente, não há evidências de que o suposto crime tenha sido cometido pelo docente na função de servidor, tampouco no ambiente escolar. A SEED esclarece ainda que até a prisão do professor não havia registro de reclamação ou denúncia na Ouvidoria da pasta contra ele.

A SEED confirma que o suspeito em questão era professor da rede, mas não divulga maiores informações sobre o caso a fim de não expor a comunidade escolar e o investigado, vez que se trata de uma investigação ainda em curso tanto pela Polícia Civil quanto pela SEED, que instaurou procedimento administrativo a respeito.