O acordo de leniência firmado entre o Ministério Público Federal no Paraná (MPF-PR) e a concessionária Ecovia vai garantir a realização de cinco obras na rodovia que liga Curitiba ao Litoral. Ao todo, segundo o Governo do Estado, serão investidos R$ 20 milhões nos projetos que viabilizarão mais segurança para moradores, turistas e no sistema de escoamento de produção até o Porto de Paranaguá.

Uma das obras é um retorno nas proximidades da entrada para a Alexandra/Matinhos

A Ecovia administra 296 quilômetros de estradas – os 84 quilômetros da BR-277 entre a capital e Paranaguá, além de segmentos rodoviários da PR-508 e PR-407, e das alças de ligação a Morretes e Antonina. Nesse trecho trafegam 6,6 milhões de veículos por ano, 35% relacionado ao transporte de cargas.

Projetos foram apresentados pelo governador Ratinho Junior (Foto: Antônio Nascimento – Banda B)

As obras serão a duplicação da PR-407 no entroncamento com a PR-412, uma extensão de 830 metros em cada sentido, compondo uma rótula, no perímetro urbano de Pontal do Paraná; uma passarela no km 01 da Avenida Ayrton Senna, em Paranaguá; uma passarela no km 77 em São José dos Pinhais, atendendo a comunidade São Judas Tadeu; a alça de retorno na BR-277 com a PR-508; e a iluminação de cinco quilômetros na BR-277 na entrada de Paranaguá, para melhorar a segurança da movimentação de cargas, da população e evitar prostituição.

Leniência

A Justiça Federal do Paraná homologou o acordo de leniência da Ecorodovias em setembro deste ano e a empresa reduziu as tarifas nas suas seis praças de pedágio em 30%. Os R$ 400 milhões do acordo devem ser pagos até o fim das concessões, em 2021. A concessionária reconheceu o pagamento de propinas para conseguir mudanças contratuais, atos de corrupção e lavagem de dinheiro.

O acordo prevê R$ 130 milhões para a execução de três obras no trecho da Ecocataratas, no Oeste do Estado, e R$ 20 milhões em cinco obras da Ecovia, no trecho entre a Região Metropolitana de Curitiba e o Litoral. Outros R$ 220 milhões estão sendo abatidos com a redução de tarifas e R$ 30 milhões serão pagos em multas.