Divulgação Ecovia

 

A concessionária Ecovia lançou, na manhã desta quarta-feira (19), uma área de escape no quilômetro 37,9 da BR-277, na Serra do Mar. O trecho é marcado por um grave acidente ocorrido em julho de 2016, que deixou seis mortos. A área de escape foi projetada e implementada, especialmente, para garantir a parada urgente de grandes veículos em situação de perigo, como caminhões e ônibus.

De acordo com a concessionária, o novo equipamento passou por testes simulados que comprovaram a eficiência do dispositivo. Nesse trecho, muitos veículos pesados apresentam problemas mecânicos ou elétricos ou encontram dificuldades de manter a direção segura em razão de velocidades acima do permitido. “A rampa, que poderá ser acessada à direita da pista de descida da rodovia, conta com um material conhecido como argila expandida, que ajuda na absorção de velocidade e redução de impactos, semelhante ao utilizado em autódromos de corridas esportivas”, explica o gerente de Engenharia da Ecovia, Jean Zolett.

O pedido da área de escape foi feito à concessionária em 2013, mas por questões ambientais, a área só foi liberada para construção neste ano. A Ecovia investiu quase R$ 3 milhões nessa obra, que levou oito meses para ser concluída.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a nova área de escape tem 180 metros de comprimento, sendo que o primeiro terço é composto por uma rampa que se inicia com 15 cm e termina com 1,2 metro. Os dois terços finais são compostos de uma caixa de 1,4 metro de profundidade e preenchido com argila expandida, que é capaz de frear o veículo com segurança.

No teste realizado durante a inauguração, um caminhão adentrou na caixa a cerca de 70 km/h e parou totalmente em cerca de 70 metros, sem causar ferimentos no motorista ou danos materiais no veículo.

Confira vídeo do teste no player abaixo:

Seis mortos

O grave acidente ocorrido em julho de 2016 deixou seis mortos e outros cinco feridos. Um caminhão-tanque, carregado com 44 mil litros de álcool anidro, perdeu o controle em uma curva, invadiu a pista contrária e atingiu 14 veículos, que não tiveram chance de escapar. Laudo foi emitido pela Polícia Científica do Paraná revelou que o caminhão estava com o sistema de freio superaquecido e trafegava em velocidade média de 123 km/h, quando colidiu.