Um paciente, com suspeita de estar infectado pelo novo coronavírus, gravou e compartilhou nas redes sociais um vídeo reclamando da demora para ser atendido no Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul, município da Região Metropolitana de Curitiba. O registro foi divulgado na tarde da última segunda-feira (1º). No vídeo, há gestantes e outros pacientes ao lado do rapaz, de nome Tiago.

Na gravação, que tem exatos seis minutos de duração, Tiago explica que teria chego de viagem, ao lado da esposa grávida, havia dois dias e que já estaria esperando mais de 1h30 para ser atendido. Com a afirmação de que apresentava todos os sintomas da Covid-19, ele discutiu com o segurança do hospital por estar gravando: “Estou no meu direito, tenho todos os sintomas e ainda nem passei pela triagem”, disse o representante comercial.

Foto: Reprodução

“Isso é uma falta de respeito com o ser humano” é uma das frases que Tiago repete numerosas vezes durante a filmagem. Inclusive, ele conversou com outro rapaz que estava na companhia do pai, também esperando para ser atendido. Tiago também mostra como o senhor tem esperado pela consulta, aos 53 anos, vomitando sangue e segurando uma lixeira.

“Ele está vomitando sangue desde a manhã de hoje”, afirmou o filho do paciente.

Após discussões entre Tiago e funcionários da unidade, a Polícia Militar foi acionada para conter o rapaz.

Atendido

Na tarde desta terça-feira (2), a Banda B conversou com Tiago. Segundo ele, o Hospital Angelina Caron “já foi excelente”, mas relata não saber o que aconteceu com a unidade para demorarem tanto em atender as pessoas.

Ele disse ainda que depois do vídeo o atendimento foi agilizado: “Depois que eu parei de gravar, não deu nem cinco minutos e o senhor que estava vomitando sangue foi atendido”, descreveu.

Após ser atendido, o representante comercial recebeu um atestado médico de 14 dias.

Em nota enviada à Banda B, o Hospital Angelina Caron se posicionou sobre a situação. Leia na íntegra:

“Sobre a reclamação do paciente Tiago, o Hospital Angelina Caron informa que segue todos os protocolos do Ministério da Saúde. Nenhum paciente entra no Pronto Socorro sem máscara e sem higienizar as mãos com álcool 70%. Na sala de espera, os pacientes são orientados a manterem distância uns dos outros enquanto aguardam atendimento. Os casos suspeitos de Covid-19 são identificados na triagem e isolados.

O Hospital Angelina Caron não está entre os hospitais de referência nomeados pela Secretaria de Estado da Saúde para atendimento de pacientes com Covid-19, mas conta com espaços exclusivos para o atendimento e o internamento de casos confirmados da doença, incluindo leitos de UTI.

É prioridade da instituição preservar a segurança de todos os pacientes, corpo clínico, colaboradores e comunidade, mantendo o padrão de excelência no atendimento.”