Em janeiro de 2018, prefeito em exercício, Eduardo Pimentel, visitava obras do Cmei (Foto: SMCS)

A falta de vagas em cheches, problema recorrente em Curitiba, veio à tona também em 2019. Moradores do bairro Pilarzinho, região Norte de Curitiba, dizem que o fechamento para reformas de um Centro Municipal de Educação Infantil (Cmei) tem causado ainda mais dificuldades.

A diarista Vanessa Philips, contou à Banda B que desde que a filha nasceu tenta uma vaga no Cmei Vila Nori, creche mais próxima de onde mora, mas que a unidade não foi reinaugurada. “Já tem um ano e pouco que eu tento vaga e até agora nada. Só falam que ela está na lista, mas nunca chama. A Vila Nori dizem que já está pronta”, afirmou.

O problema também é enfrentado pela secretária Crislaine de Oliveira, que tenta uma vaga no Cmei Ada Pires de Oliveira, para o filho de um ano e um mês. “Deixei o nome do meu filho no ano passado e não conseguiu vaga. Fim de ano fui de nove e deixei o nome dele na fila de espera, mas até agora nada nesta região”, lamentou.

Segundo a própria secretaria municipal da educação, no segundo semestre do ano passado só 57% das crianças até 3 anos eram atendidas. Mas o índice, segundo a prefeitura, é superior ao estabelecido pelo Plano Nacional de Educação para 2018, que era de 50%.

De acordo com um levantamento do Ministério Público de um ano atrás, 7.690 famílias tiveram recusados seus pedidos de vagas em creches na capital desde 2014

A Banda B entrou em contato com a prefeitura de Curitiba, que enviou a seguinte nota:

A obra do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Vila Nori, no Pilarzinho, está em fase final. Já está em andamento a compra do enxoval da unidade (móveis, cortinas, utensílios, brinquedos, etc), mas não há data definida para a inauguração.

Desde o início de 2017, a atual gestão colocou em funcionamento 14 CMEIs. Doze tinham sido inaugurados pela gestão anterior, mas sem condições de atendimento (falta de infraestrutura e de profissionais). Além dos profissionais da educação chamados para compor as equipes, foram adquiridos móveis, eletroeletrônicos, cobertores, colchonetes e material pedagógico. As novas unidades ampliam a capacidade da rede em 2,4 mil vagas.

Em 2017 foram entregues as unidades Mussa José de Assis (no Ganchinho) e Milton Luiz Pereira (Campo de Santana).
Outros dez foram colocados em funcionamento em março deste ano, no início do ano letivo: CMEIs Jayme Canet Junior, Ivo Arzua e Pedro Clayton Pelanda, no Sítio Cercado; Júlio Raphael Gomel e Tânia Brand, no Tatuquara; Lúcia Demeterco, no Campo de Santana; Maria do Rocio Ramina Maestrelli, na CIC; Dona Francisca Wisek, no Augusta; Santa Schier, no Guaíra; e Giovanna Serenato Panichi, no São João.

E em seguida foram inaugurados o CMEI Corina Ferreira Ferraz, na Vila Audi-União, no Uberaba, no mês de maio do ano passado, e o João Botelho, na CIC, em julho de 2018.

As novas unidades estão aumentando o volume de atendimentos paulatinamente, com aberturas de turmas ao longo dos meses. As turmas são definidas conforme a demanda da comunidade (berçário, maternal e pré), por isso é necessário que os pais/responsáveis mantenham o cadastro da criança atualizado.