Diante do aumento de 60% no número de casos confirmados pelo novo coronavírus em apenas uma semana, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) promete reavaliar no período de até duas semanas as normativas que permitiram a reabertura de shoppings e igrejas em todo o Paraná. A informação foi divulgada pelo secretário Beto Preto nesta segunda-feira (1), durante reunião da comissão da Saúde da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

Foto: Dálie Felberg/Alep

Ao falar da curva de casos, Beto Preto comentou os recentes afrouxamentos de medidas restritivas. “Se você for observar do ponto restritivo em que foi autorizado, é até melhor do que muitas igrejas que estavam abertas mesmo com o decreto do estado. Com a decisão, chamamos as igrejas para conversar e colocamos uma determinação rígida quanto a questão do distanciamento. Junto com ele, vem a questão dos shoppings. Mas, é importante deixar claro que todas essas medidas possuem um gatilho de revisão, que acontece depois de três semanas. Como estamos avaliando a questão do Dia das Mães espocando agora, também criamos a revisão para garantir o mínimo de funcionamento de algumas atividades econômicas. Vamos rever essas ações dentro de mais duas semanas e tomar algumas medidas ou colocar em discussão”, afirmou o secretário.

Segundo o Governo do Estado, o Paraná confirmou 877 casos na semana epidemiológica 21 (período de 17 a 23 de maio), frente a 1.404 na semana 22 (período de 24 a 30 de maio).

Na reunião, Beto Preto admitiu preocupação com o aumento. Ele citou o Dia das Mães, o recebimento do auxílio emergencial e da aposentadoria, além da reabertura de shoppings e igrejas pelo aumento de pessoas nas ruas. “Não tenha dúvida que com todas essas iniciativas, o fluxo de pessoas nas ruas sem amplia e aquele isolamento domiciliar e aquele distanciamento social inicial começa a diminuir e facilita a circulação do vírus, com esse resultado que começamos a sentir nos últimos cinco ou seis dias, com cerca de duzentos casos em média”, disse.

Proximidade com São Paulo

Ao comentar a necessidade da manutenção de todas as medidas de distanciamento social, Beto Preto ainda lembrou que São Paulo é o epicentro da doença no Brasil. “Tudo isso que tenho falado diz respeito a uma grande preocupação pelo fato de sermos vizinhos com o estado de São Paulo, que tem um número muito grande de casos e de óbitos. Então essa é a grande preocupação na região de Curitiba, que tem uma relação direta com o corredor rodoviário, e o Norte do Paraná que tem uma relação direta com a capital paulista”, concluiu.