Com o apoio dos motoristas de aplicativos, a Câmara Municipal de Curitiba deverá debater nas próximas semanas um projeto de lei para a criação de um aplicativo municipal de transporte de passageiros, com a intenção de trazer benefícios e dar mais uma opção aos 30 mil motoristas cadastrados em serviços como a Uber. O projeto, que deverá ser protocolado nas próximas semanas pelo vereador Alex Rato (Patriotas), quer que a URBS licite a contratação de uma empresa que gerencie a nova opção.

(Foto: EBC)

 

Nos últimos meses, alguns motoristas de aplicativo alegam dificuldade em se manter cadastrados na Uber. Alvaro Nicoli, por exemplo, contou à Banda B que foi descredenciado sem motivo e luta na justiça para reverter a decisão. “Tive que entrar na justiça para reverter a decisão da Uber. Mas até agora a empresa não foi notificada, pois o oficial de Justiça chega no endereço que seria a Uber e não tem ninguém trabalhado, porque estão de forma remota”, afirmou em entrevista na manhã desta terça-feira.

O vereador Alex Rato, autor do projeto, explicou que atualmente os motoristas de aplicativos geram cerca R$ 1,2 milhão por dia às empresas de APP. “Em média, cada um dos 30 mil motoristas paga entre R$ 50,00 a R$70,00 por dia para a empresa, que cobra 25% de cada corrida. A estimativa é que, dos 30 mil motoristas, 20 mil estão operando constantemente, o que dá uma arrecadação de R$ 1,2 milhão ao dia”, destacou.

O parlamentar sugeriu que a receita faça parte de um fundo municipal, para a criação desta nova alternativa de aplicativo. “Se cobrar a metade da taxa de operação, pagar um valor fixo para empresa de tecnologia que fará a gerencia, estamos falando de uma arrecadação de R$ 220 milhões ao ano, que fortaleceria os cofres municipais e ajudaria na implantação de novas modalidades de transportes públicos”, disse o vereador.

Para Alex, os lucros podem até superar o valor arrecadado com as tarifas de ônibus, que chega próximo de R$ 90 milhões. O parlamentar considera que parte do valor arrecadado pelo aplicativo de mobilidade municipal pode ser destinado para uma cooperativa da categoria de motoristas de aplicativos, para ajudar ao setor a evitar danos, como estão acontecendo agora. O motorista Álvaro aprova a iniciativa. “A municipalização deste serviço vai gerar mais recursos à cidade e segurança ao motorista, que ultimamente está sofrendo com esse descredenciamento sem motivo”, concluiu.

Sobre a reclamação dos motoristas de aplicativos, a Banda B entrou em contato com a Uber e aguarda um retorno.