Moradores do bairro São Judas Tadeu, em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, bloquearam a BR-277 na tarde deste sábado (4). Segundo eles, desde a passagem do ciclone pela região de Curitiba, na ultima terça-feira, a maioria das casa segue sem energia elétrica. Após repercussão do protesto, os moradores liberaram a pista com a promessa de que a Companhia Paranaense de Energia (Copel) resolveria a situação deles. A Banda B entrou em contato com a Copel, que se posicionou.

 

O protesto aconteceu no quilômetro 77, na pista sentido Litoral, por volta das 15 horas. Entre as manifestantes, Juliana Aparecida da Silva, de 40 anos, que tem uma filha pequena que necessita de cuidados especiais. “Eu tenho uma filha cadeirante e faz uso do aspirador, tanto que ela está sem aspirar por causa da falta de luz e tive de levá-la em uma vizinha para fazer o procedimento. Você liga na tomada e aspira as secreções da boca e o nariz dela”, descreveu a moradora.

Segundo ela, muitas casas estão sem luz desde terça-feira (30), durante a passagem no ciclone – que deixou ao todo 1,2 milhão de unidades consumidoras sem luz. “Aqui na minha rua, que é a Antônio Leandro de Sousa, os fios foram arrebentados. Liguei para a Copel e avisei que estávamos sem luz. Eles responderam que averiguariam e viriam até aqui. Vem gente ver, mas sempre dizem que um caminhão precisa vir até o local para resolver, e nunca vêm. Só enrolam a gente e estamos indo para o quinto dia sem luz, e caminhão nenhum da Copel vem ver”, reclamou.

Os moradores do protesto alegam que possuem protocolos de atendimento e que, por enquanto, não tiveram uma resposta exata da Copel. “Por isso fizemos o protesto hoje. Não é só minha filha, que é portadora de necessidades especiais, tem um outro rapaz na região que sofreu um acidente e precisa ser aspirado. O intuito é que a Copel resolva nossa situação e ligue nossa luz, pois dependemos dela e pagamos”, concluiu.

A pista ficou bloqueada por cerca de duas horas e liberada após a chegada da Guarda Municipal de São José dos Pinhais.

Resposta

Centenas de profissionais da Copel estão entrando no quinto dia de trabalho ininterrupto para recuperar a rede de energia danificada pelo temporal da última terça-feira. Os serviços agora são em locais onde a destruição foi grande e requer reconstrução e em locais de difícil acesso, como áreas de mata. Em Curitiba, todos as unidades consumidoras que restavam sem energia em função do temporal já foram religadas neste sábado.

Em toda região metropolitana de Curitiba, a Copel ainda tem 939 serviços para realizar em função do temporal. Somente a cidade de São José dos Pinhais, que foi uma das mais afetadas, está com 39 equipes em campo neste sábado e 177 serviços em aberto. São José dos Pinhais possui 1,4 mil imóveis desligados ainda (1,06% do total), todos em regiões onde os estragos demandam grandes caminhões e equipes de reconstrução para recompor a rede.

A região Leste do Estado (RMC e Litoral) recebeu mais 60 equipes de apoio neste sábado, com caminhões de grande porte, que vieram de locais onde a quantidade de serviços em função do temporal já diminui. A região Leste permanece com 35,5 mil imóveis desligados.

Litoral
O vendaval atingiu fortemente as cidades do litoral. Muitas redes de energia foram destruídas com a queda de árvores, algumas em locais de difícil acesso. Em Paranaguá, 1,9 mil unidades consumidoras permanecem sem energia elétrica.

Diversas equipes de manutenção foram deslocadas para o litoral neste sábado para ajudar nos consertos. Ainda este sábado a Copel deve religar parte dos consumidores, mas os trabalhos nas redes que ficam em região de mata fechada vai continuar ao longo de todo final de semana.

Impactos
Os números do ciclone entraram pra história da Copel: pico de mais de 11,5 mil chamados de serviço em diferentes localidades do Paraná, 2,7 mil eletricistas próprios e terceirizados atendendo nas ruas de maneira simultânea, em mais de mil equipes que enfrentaram uma média diária de 5 mil serviços – em junho esse número fechou em 1,5 mil/dia.

Profissionais do interior foram deslocados pra Curitiba, Região Metropolitana e Litoral, para dar reforço nas áreas mais afetadas. Desde o início do incidente, a Copel trocou 453 postes e ainda restam 300 pendentes de troca (a média diária de troca de postes é 20).