Cinco servidores estaduais estariam infectados pelo novo coronavírus após uma festa de aniversário com 15 pessoas dentro de uma unidade prisional, em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. A Banda B recebeu a denúncia, nesta quinta-feira (2), de funcionários do sistema penitenciário do Paraná.

“Recentemente teve uma festa de aniversário dentro do Complexo Médico Penal (CMP) e essa festinha recebeu até um apelido: “Festinha da Covid”. O evento contava com aproximadamente 15 pessoas, e destas, cinco já foram confirmadas com coronavírus”, revelou a funcionária que preferiu não se identificar.

Foto: Depen

A festa, segundo ela, aconteceu no dia 16 de junho e gerou a contaminação dos servidores estaduais.

O Complexo Médico Penal recebe presos de unidades prisionais de Curitiba, Região Metropolitana e de Ponta Grossa. O local atende presidiários com suspeita de contaminação por coronavírus.

Um agente penitenciário também procurou a Banda B e reclamou da confraternização. “O pessoal devia dar exemplo aqui e estão aí fazendo festinha para os aniversariantes do mês. Agora todo mundo está aí pagando o preço dessa palhaçada. Nunca vi tamanho descaso de gestores com a saúde do servidor público. É vergonhoso”, afirmou o agente.

Depen

Ainda de acordo com os servidores, que procuraram a Banda B, o Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen-PR) sabe do caso, mas não tomou nenhuma atitude. “Infelizmente falta transparência do Depen em relação ao número real de infectados, o que gera instabilidade entre todos os servidores”, comentou a funcionária.

O diretor do Depen, Francisco Alberto Caricati, negou ter conhecimento da festa  e disse que quem poderia responder sobre a veracidade da denúncia ou não seria apenas o diretor da própria unidade prisional envolvida.

O diretor geral do Complexo Médico Penal, Samuel Moreira, negou a realização de qualquer festa em um primeiro contato coma reportagem da Banda B. Alguns minutos depois ele confirmou a festa, mas disse que ela aconteceu fora do complexo médico. “Levantei a informação aqui e o que teve foi um churrasco. Foi fora da unidade e não foi com o pessoal daqui, foi de outra unidade”, explicou.

Infectados

Entre os servidores que teriam sido infectados após a festa estão três agentes penitenciários, um médico psiquiatra e uma enfermeira. A reportagem procurou um dos agentes, que confirmou a contaminação, mas também negou a festa.

Isabel Mendes, presidente do conselho da comunidade da comarca da RMC – Órgão da execução penal, que fiscaliza o sistema penal, mostra preocupação com a denúncia feita à Banda B. Ela reclamou da falta de acesso à informação de detentos com o novo coronavírus: “se você olhar as informações sobre todos os estados em relação aos casos de Covid no sistema penitenciário, o Paraná é o único que não manda a informação”.

O vice-presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná – SINDARSPEN – José Roberto Neves, também criticou a falta de divulgação de novos casos de covid-19. Ele mostrou preocupação com as denúncias. “Você imagina o que é o contágio de um preso ou de um conjunto de presos que está totalmente aglomerado dentro da carceragem. Lá não tem espaço pra dividir quem tá e quem não está com Covid. Então todo o esforço deve ser para o vírus nem chegar”, reclamou.

O CMP conta com aproximadamente 800 presos, entre eles detidos durante a operação lava jato.

Na Penitenciária Estadual de Piraquara já teriam 15 agentes penitenciários confirmados e notificados com Covid. Na Colônia Penal Agrícola, três agentes também teriam sido confirmados com coronavírus, inclusive o diretor da Unidade. Na penitenciária de Cascavel, também há casos confirmados de Covid-19.