(Foto: EBC)

 

Somente nesta segunda-feira (27), em um período de doze horas, 160 pacientes foram atendidos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Paranaguá, no Litoral do Paraná, devido à alergia pelo contato com o pó (cerdas) das mariposas. Em outros hospitais da cidade, o número de casos também é preocupante, especialmente pelo receio de faltar remédio para atender os pacientes.

O superintendente em Urgência e Emergência da Secretaria Municipal de Saúde, Rafael Corrêa, confirmou que o estoque de medicamento está no limite. “Das 7h até as 19h foram 160 pessoas atendidas devido à alergia pela mariposa. Mesmo aqueles que mataram o insento vieram aqui, porque acabaram tendo contato com o pó que ficou no local. É preciso que a população redobre o cuidado com isso, porque o alto número de atendimentos preocupa”, disse à Banda B.

Segundo o superintende, as mariposas são atraídas pela luz, invadem os domicílios e áreas externas, como varandas, sacadas e calçadas, e, ao se debaterem perto de lâmpadas, liberam as cerdas que acabam atingindo diretamente a pele ou ficam depositadas em roupas e outros objetos.

“Ano passado não houve tantos casos, mas neste ano realmente é algo preocupante. O pessoal tem nos procurado com irritabilidade na pele, não é um sintoma grave, mas é muito chato. Quem matar a mariposa, tem que limpar o local, porque ainda assim existe o risco de contaminação”, descreveu Rafael Corrêa.

Prevenção de acidentes com mariposas:

– Fechar janelas e portas durante o entardecer por aproximadamente 2 horas;

– Apagar as luzes externas das moradias;

– Não permanecer embaixo de postes luminosos, pois as mariposas são atraídas pela luz;

– Retirar a roupa dos varais antes do entardecer;

– Nunca pegá-las com as mãos sem proteção, mesmo quando mortas;

– Limpar os móveis que possivelmente foram expostos às mariposas com pano úmido e colocar este pano em um saquinho plástico antes de jogá-lo no lixo;

– Não varrer quintais e calçadas, utilizar mangueiras ou baldes com água. Para limpeza dos assoalhos, passar um pano úmido;

– Se houver contato com a mariposa, não levar as mãos aos olhos e lavá-las imediatamente;

– Não coçar a pele após contato com o inseto;

– Não tomar ou passar qualquer tipo de medicamento. Lavar abundantemente com água fria e/ou utilizar compressas frias.

– Buscar atendimento em uma unidade de saúde o mais breve possível.