Como seriam os resultados do seu negócio se fosse possível ter publicidade gratuita no melhor ponto de localização do seu bairro? Em tempos que os comércios locais lutam para sobreviver, uma ação solidária em Curitiba e região metropolitana busca fazer a diferença no meio da crise atual. Criada pela agência de publicidade TIF em conjunto com a OutdoorMídia, a campanha “Pense Grande” colocou 37 outdoors para promover os pequenos empresários.

(Foto: Divulgação)

Caso fosse pago por uma empresa, o custo das inserções seria de R$ 120 mil, valor que muitos microempresários têm para fazer girar o seu negócio em um mês. A ação funciona da seguinte forma: cada anunciante poderá aparecer até 810 vezes por dia o que dará 11.340 inserções de 10 segundos em 14 dias. No total, serão 148 comerciantes por mês ajudados pela campanha.

“Minha solução, de momento, é oferecer mais da metade de desconto em serviços nesta quarentena”, conta Francielle Walter, dona de um salão de beleza que foi profundamente afetado pela pandemia. Dependendo de eventos sociais, ela recorreu aos vouchers (garantias de desconto quando o comércio reabrir) para sobreviver. Apesar de tudo, ela reforça o otimismo com o momento: “é uma questão de fé. Desejo que não dure. Essa ação dos outdoors vai me ajudar bastante nesse momento. É um sonho que se realizará, em meio a tudo isso”.

Milhões impactados

Essa é a segunda etapa de um projeto que começou de forma espontânea, mas tomou proporções maiores. Cientes da crise em que tantos os grandes como pequenos empresários estariam nos próximos meses, a TIF e a Outdoormídia realizaram uma parceria conjunta: a agência criou peças que estimulavam o público a consumir nos bairros, durante março e início de abril. Mas ambos queriam levar a ideia além e atingir diretamente os comerciantes desses locais.

Os estabelecimentos foram escolhidos a partir de uma pesquisa de campo com assistentes comerciais da própria Outdoormídia: os comerciantes no entorno de até cinco quadras dos painéis digitais da marca foram abordados e convidados a participar da ação.

“Sou agente e consultora de viagens. Trabalho home office e continuo com a mesma rotina, porém, obviamente, tenho um volume de vendas muito menor”, lamenta Katia Regina, que foi uma das escolhidas para participar da campanha. “Acredito que precisamos ter cuidado com a saúde e respeitar as determinações do momento, como as máscaras e o isolamento. Para dar mais visibilidade ao meu trabalho, essa campanha foi excelente”.

É cedo para dizer se os negócios já estão sendo impactados, mas a expectativa é que muita gente fique de olho: considerando a visibilidade dos 37 painéis digitais espalhados por Curitiba e região metropolitana, espera-se 18 milhões de impactos/mês com as ações. Isto é, mais de uma pessoa vai poder ver o negócio da Francielle, da Katia Regina e, também, o da Semia Rafic, que tem um restaurante árabe no Batel.

“Respeitando a assepsia e determinações dos órgãos, tem gente que vem comer aqui nos últimos dias, após reabrirmos”, conta ela, que se diz otimista apesar das dificuldades. “É tudo uma incógnita, mas não creio que dure muito tempo. Graças a Deus, os meus clientes são parceiros e, depois de 10 anos, continuam me acompanhando”.

Cadeia sustentável

As cabeças por trás das agências idealizadoras dessa ação, Thiago Biazetto (TIF) e Halisson Pontarolla (Outdoormídia), preveem que pequenas ações mais do que nunca serão essenciais para o resgate econômico pós-pandemia.

“Faz parte do nosso dia a dia e do nosso trabalho dedicar a nossa criatividade às causas mais relevantes”, afirma Biazetto. “Em um momento como esse, temos que pensar no todo, não só nos grandes players. Essa ação, mais do que um gesto com a Outdoormídia, é uma forma de estimular, também, que outros repitam nossas ações. Assim, teremos muito mais força para sair da crise”.

A importância da campanha é atestada em números: segundo o Sebrae/PR, 91% das vagas de emprego no estado em 2019 – mais de 46 mil postos de trabalho – foram criadas por micro e pequenos empresários. A campanha, iniciada em 25 de março, estimula a compra nesses locais justamente pelo fato que os pequenos empresários devem ser os primeiros a sentir os impactos dessa crise. A maior parte do setor de serviços buscou alternativas, sendo o delivery a principal delas.