Caminhoneiros ligados à CUT (Central Única dos Trabalhadores) anunciaram uma paralisação a partir da meia-noite de segunda-feira (16). O líder sindical Marconi França, em vídeo divulgado neste fim de semana, diz que o protesto é em decorrência do aumento do preço do óleo diesel em 2019 e que o presidente, Jair Bolsonaro, é a favor apenas do agronegócio, prejudicando os caminhoneiros.

Na sede da CUT no Rio de Janeiro, Marconi afirmou em vídeo que o movimento é de toda a população. “A situação do país não está boa e nós, caminhoneiros, viemos aqui até a CUT para fazer uma paralisação, que não é só nossa, mas que terá apoio de todos. Você, que não está satisfeito com os preços de botijão de gás e gasolina, feche conosco”, afirmou.

Marconi na sede da CUT

Protagonista nega

(Foto: EBC)

 

Um dos lideres da categoria Wanderlei Alves, conhecido como Dedéco, que atua principalmente no Paraná, negou uma possível paralisação. “Estive à frente da paralisação em 2018 e eu repúdio que líderes caminhoneiros se unam a entidades como a CUT. Não acredito em uma paralisação, já que estamos em um momento de crescimento no país. Há um desespero destas lideranças”, afirmou.

De acordo com Dedeco, a intenção é apavorar a população. “Acho errado pensar nisso em uma data como dezembro, quando as pessoas pretendem viajar e se divertir. O que eu posso garantir para os paranaenses é que não vai acontecer nada em dezembro. Caminhoneiro não vai fazer algo cara. Isso é um caso isolado”, concluiu.