Foto: Colaboração/Banda B

 

O caminhoneiro que causou o grave acidente na BR-277, no Litoral do Paraná, na última quarta-feira (2), pediu perdão à família de Willian dos Santos Reis, 34 anos, o motorista que morreu na hora. Rogério de Paula, 33 anos, foi ouvido na Delegacia de Paranaguá e para a imprensa disse estar à disposição da família. “Tenho que pedir desculpa, mesmo que eu não seja culpado porque ninguém quer passar por isso, né? Me sinto culpado, peço desculpa, que Deus me perdoe, que Deus cuide da alma dele, se a família quiser vir falar comigo, estou à disposição. Só peço desculpas”, lamentou.

Além da vítima fatal, outras nove pessoas ficaram feridas, entre elas, o filho de Reis, de apenas dois anos, que continua internado em estado grave no Hospital do Trabalhador. O acidente aconteceu próximo à saída do viaduto da PR-407, no quilômetro 7.

Em seu depoimento, Rogério corroborou com a versão das câmeras de monitoramento de tráfego da concessionária Ecovia. “Tá quebrada a barra de direção, mas só a perícia vai dizer se estava quebrada ou se quebrou no impacto. Eu não tive o que fazer, senti que o caminhão perdeu o controle, pisei no freio, mas já estava desgovernado. Eu estava na pista da direita, quando eu joguei para a esquerda, perdi o controle”, detalhou.

Segundo o caminhoneiro, a carreta estava vazia e ele iria levá-la a um posto para lavar, sem destino certo de viagem. “Eu ia fazer o retorno no viaduto e voltar, estava vazio”, completou.

O delegado de Paranaguá Rogério Martin de Castro que ouviu o depoimento do caminhoneiro e está responsável pelo inquérito disse que ele responderá pelo acidente fatal sem dolo. “A princípio, ele está respondendo por homicídio culposo, também pelas lesões corporais que produziu nos ocupantes dos demais veículos. Não há nenhum prejuízo em que essa capitulação mude em decorrência das provas, que vamos conseguir angariar, dentre elas, testemunhas e periciais. Então é possível que o causador seja responsabilizado por outros crimes”, finalizou.